Trincheira da Ceasa, que liga a CIC ao Tatuquara, é aberta

(Foto: Daniel Castellano / SMCS)

O acesso à trincheira da Ceasa, que liga a Cidade Industrial ao Tatuquara por baixo da BR-116, foi inaugurado hoje (29). A entrega da obra faz parte das comemorações do aniversário de Curitiba. A abertura do acesso deve beneficiar diretamente 275 mil moradores, além dos motoristas que circulam pela BR-116 e acessam a Ceasa todos os dias. As obras estavam paradas desde outubro de 2016 e foram retomadas no ano passado.

Paulo Cesar Dalagassa, que mora na região, acompanhou a cerimônia de abertura da trincheira.

A entrega da obra foi feita logo após o anúncio da construção de uma unidade de saúde na Ceasa, que vai ser feita em parceria com o governo do Estado. Segundo o prefeito de Curitiba, Rafael Greca, uma área dentro do terreno da Ceasa vai ser usada para essa construção

Além das obras anunciadas na região extremo sul da cidade, outras obras estão previstas para a área da Linha Verde Sul: a construção de dois viadutos, uma estação de integração e duas novas trincheiras. O investimento de R$ 116 milhões de reais, em parceria com o governo, foi divulgado na tarde de ontem (28).

Os novos viadutos vão ser nas ruas Anne Frank e Tenente Francisco Ferreira de Souza e vão formar um trinário com o viaduto da Avenida Marechal Floriano, possibilitando a ligação entre as regiões do Boqueirão, Rebouças e a Avenida Presidente Wenceslau Braz. Também serão feitas duas novas trincheiras perto da Estação São Pedro, na Linha Verde, formando um binário de vias em sentidos opostos e ligando as regiões do Xaxim e Capão Raso.

O viaduto da Avenida Marechal Floriano, vai ser a via central do sistema “trinário Marechal”, destinado principalmente ao sistema de transporte coletivo, aos pedestres e ciclistas. Há a previsão de uma nova estação tubo no viaduto que vai integrar sete linhas de transporte. O início da implantação destes novos projetos deve ocorrer em 2020.

Deixe um Comentário Os comentários serão avaliados por um moderador. Comentários considerados inadequados, impróprios ou ofensivos não serão aprovados

*