Assassino da própria mãe diz que matou para se defender

Foto: divulgação / Polícia Civil do Paraná

O rapaz que confessou o assassinato da própria mãe a facadas em Curitiba, na última sexta-feira (10), disse que cometeu o crime para tentar se defender dela. Em depoimento à Polícia Civil, Muriel Marshall Madeira, de 24 anos, falou de uma discussão e de um suposto ataque por parte de Denise Simionatto, que tinha 64 anos e era pedagoga, alguns dias antes do crime. Os dois moravam juntos em um apartamento no bairro Pinheirinho e o corpo da vítima foi encontrado por colegas de trabalho que estranharam a ausência dela no trabalho. O delegado Ormar Feijó, responsável pelas investigações na Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa, explica que o jovem deu detalhes de como tirou a vida da mulher.

Sabendo que não conseguiria embarcar no ônibus com a faca, ele revelou aos policiais que teria abandonado a arma próximo à DHPP.

Questionado pela imprensa, o rapaz foi evasivo.

Vizinhos relataram à polícia que viram o rapaz deixar o local logo após uma calorosa discussão com a mãe, que trabalhava em um Centro Municipal de Educação Infantil da capital. O delegado não descarta a possibilidade de que Muriel tenha problemas mentais, mas esclarece que, até o momento, não há qualquer comprovação nesse sentido.

O corpo de Denise Simionatto foi sepultado na tarde do último sábado (11), no cemitério Jardim da Saudade I. Muriel foi indiciado por homicídio qualificado por impossibilidade de defesa da vítima, que dormia quando foi morta.

Deixe um Comentário Os comentários serão avaliados por um moderador. Comentários considerados inadequados, impróprios ou ofensivos não serão aprovados

*