Associação quer a suspensão do voto de quem recebe Bolsa Família ou outros auxílios

Associação propõe a suspensão do voto dos beneficiários de programas de distribuição de renda

Associação propõe a suspensão do voto dos beneficiários de programas de distribuição de renda.

Uma cartilha distribuída pela Associação Comercial e Industrial de Ponta Grossa (ACIPG) propõe a suspensão do direito ao voto de todos os cidadãos beneficiados por programas de distribuição de renda. De acordo com a proposta, qualquer pessoa que recebesse auxílio do governo federal, estadual ou municipal, perderia temporariamente o direito de participar dos pleitos eleitorais. O presidente da ACIPG, Nilton Fior, explica que a medida seria para tornar as eleições mais justas, sem que os eleitores tivessem os votos influenciados

O projeto, porém, esbarra na esfera jurídica. A proposta é inconstitucional: o voto universal  é parte da Constituição Federal e não pode ser alterado sob nenhuma hipótese. De acordo com a presidente da Comissão de Responsabilidade Social e Política da OAB-PR, Zuleika Giotto, todos os cidadãos brasileiros com mais de 16 anos têm o direito de escolher os representantes políticos e isso não pode mudar.

Para o cientista político da Universidade Federal do Paraná, Ricardo Oliveira, esta é uma proposta ignorante. Ele afirma que, do ponto de vista social, retirar o direito ao voto de qualquer cidadão seria uma atitude medieval.

A advogada também argumenta que o período eleitoral é o único capaz de colocar todos brasileiros em nível de igualdade. Para ela, o direito ao voto é uma conquista da sociedade brasileira que não deve nem mesmo ser colocado em discussão.

A cartilha começou a ser distribuída na semana passada para os candidatos de Ponta Grossa e da região dos Campos Gerais. A proposta foi discutida na Associação Comercial e Industrial do município e aprovada por 34 dos 37 diretores da instituição.

Deixe um Comentário Os comentários serão avaliados por um moderador. Comentários considerados inadequados, impróprios ou ofensivos não serão aprovados

*