Bibinho e prefeito são alvos de operação do Gaeco

Agentes do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado, do Ministério Público, fizeram buscas em propriedades do ex-diretor da Assembleia Legislativa, Abib Miguel, conhecido como Bibinho. As ordens judiciais de busca e apreensão foram cumpridas na casa do ex-diretor, em Curitiba, e em uma propriedade em Rio Azul, na região central do estado. A operação também envolve propriedades do prefeito de Rio Azul Rodrigo Solda, do PSDB, e familiares dele.

A operação foi batizada de Castor e investiga a extração de madeira em fazenda que estava bloqueada pela Justiça. De acordo com o procurador Leonir Batisti, coordenador do Gaeco, a propriedade não poderia ser explorada. Mas Bibinho teria construído até uma estrada para remover a madeira.

Outra propriedade investigada fica no município vizinho de Rebouças. Mas há diversas outras propriedades de Bibinho sequestradas pela Justiça. Entre os anos de 1997 e 2010, Abib Miguel teria sido responsável pelo desvio de R$ 216 milhões, envolvendo a contratação de pelo menos 97 funcionários “fantasmas” na Assembleia Legislativa. Bibinho teve duas condenações por peculato, organização criminosa e lavagem de dinheiro.

Segundo a denúncia, os recursos desviados eram “lavados” através da aquisição de imóveis urbanos e rurais. As propriedades eram registradas em nome do próprio Bibinho e de familiares dele, em vários estados do país. Essas propriedades tinham exploração agrícola ou extração de madeira e minérios, como forma de lavar dinheiro.

Os imóveis bloqueados pela Justiça estão localizados no Paraná, mas também há propriedades em Goiás, Tocantins, Rio Grande do Norte, Mato Grosso, Santa Catarina e São Paulo. Bibinho teve as condenações contra ele anuladas pelo Tribunal de Justiça do Paraná. O entendimento dos desembargadores foi de que houve cerceamento da defesa durante a condução do processo.

Os processos voltaram para a primeira instância. Depois disso, Bibinho passou a ser réu mais uma vez. Atualmente tramitam três ações contra ele. Duas sobre os desvios da Assembleia e outra relacionada a uma mala de dinheiro. Bibinho foi preso no Aeroporto de Brasília, em 2014, com 70 mil reais em espécie.

A reportagem tenta contato com o advogado Eurolino Reis que faz a defesa de Abbib Miguel. O prefeito de Rio Azul, Rodrigo Solda, do PSDB, foi procurado e a assessoria informou que o prefeito “dará esclarecimentos futuramente”.

Comments

  1. Manoel Rosa da Cruz says:

    Nada lhes acontecerá ,são intocáveis devido pertencerem a Fraternidade Maçônica juntamente com os Juízes , o trabalho de polícia no Brasil somente dará resultado com a demissão de todo o Judiciário que está prestes a acontecer… Dai serão concursados novos magistrados sem a presença de qualquer filosofia de Fraternidades e também de religiões assim teremos um Judiciario independente e com isenção de corporativismo….!

Deixe um Comentário Os comentários serão avaliados por um moderador. Comentários considerados inadequados, impróprios ou ofensivos não serão aprovados

*