Caminhoneiro suspeito de ter causado acidente na BR-277 é solto

Foto: Divulgação / Polícia Rodoviária Federal

Foto: Divulgação / Polícia Rodoviária Federal

Está livre o caminhoneiro suspeito de ser o responsável pelo acidente que matou seis pessoas e deixou outras três feridas na semana passada. O desastre foi registrado em uma curva da BR-277 no município de Balsa Nova, na Grande Curitiba, em um trecho com obras na pista. Jeferson Borsatto, de 31 anos, foi autuado em flagrante por homicídio doloso, na modalidade dolo eventual (que é quando se assume o risco de matar), por ter admitido que trafegava com o veículo sem freios. Ele chegou a ser preso no dia da tragédia (quinta, 25) e passou uma noite na Delegacia de Campo Largo, também na região da capital, mas pagou fiança de 20 salários mínimos e foi liberado. O delegado Cassiano Aufiero, que conduz as investigações, conta que o homem deixou a carceragem no início da noite de sexta (26), mas continua no alvo do inquérito policial.

A fiança foi fixada em audiência de custódia. O caminhoneiro, que até então não tinha antecedentes criminais, trabalha de forma autônoma e o veículo não tinha tacógrafo – um equipamento que mede a velocidade.

A defesa do motorista argumenta que a sinalização deficiente da rodovia foi determinante para o acidente. Mas a Polícia Rodoviária Federal, que atendeu à ocorrência, sustenta que todas as indicações de obras na pista atendiam ao que a Legislação determina.

O prazo para a conclusão do inquérito é de 30 dias, com possibilidade de prorrogação por mais 30. Entre os outros veículos que envolvidos no acidente havia também um caminhão-tanque que, se estivesse carregado, poderia ter provocado um resultado ainda pior.

Das seis vítimas mortas, duas eram crianças e irmãs de sete e 13 anos de idade. Já os feridos são os pais delas, Elizabeth Lemanski e Rafael Nerone, e Remi Rother, que perdeu a esposa e o filho no engavetamento.

Deixe um Comentário Os comentários serão avaliados por um moderador. Comentários considerados inadequados, impróprios ou ofensivos não serão aprovados

*