Caso Muggiati: Justiça nega pedido de liberdade de médico Rafael Suss Marques

Foto: Polícia Civil

Foto: Polícia Civil – arquivo

A Justiça negou ontem (quarta, 31) o pedido de liberdade do médico Rafael Suss Marques, acusado de ter assassinado a atleta Renata Muggiati. Suss Marques foi condenado no início de maio por lesão corporal e ameaça contra uma ex-namorada, com pena de pouco mais de quatro meses de prisão. Como está preso desde o final de 2016, a defesa pede a soltura alegando que o médico é réu primário, com residência fixa e atividade lícita. O advogado do médico, Edson Abdala, disse que vai tentar um novo recurso para soltar Suss Marques.

Além do crime cometido contra a ex-namorada, no dia 23 de dezembro do ano passado, Suss Marques é acusado de ter agredido e depois jogado a fisiculturista Renata Muggiati da janela de seu apartamento, no 31º (trigésimo primeiro) andar, no Centro de Curitiba, em setembro de 2015. O Ministério Público do Paraná pediu a manutenção da prisão preventiva e alegou que Rafael descumpriu uma série de obrigações e condutas impostas para sua liberdade, desde a morte de Renata. A irmã da vítima, Tina Muggiati, disse que a decisão de manter o médico preso serve de exemplo para evitar crimes de violência contra a mulher.

Desde que a irmã morreu, Tina montou um grupo de apoio às mulheres que sofrem violência. O coletivo se chama “Reação Amor Perfeito” que, desde a morte de Renata, realizou três ações de conscientização em Curitiba.

A juíza substituta, Taís de Paula Scheer, do Juizado de Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher, ao negar o pedido de liberdade de Rafael, disse em despacho que o médico voltou a praticar atos de violência contra a mulher e que é impossível substituir a prisão do médico por outro tipo de punição. Com a decisão da Justiça desta semana, o médico seguirá preso enquanto aguarda o julgamento pela morte de Renata Muggiati, ou até que um novo recurso da defesa de Rafael seja aceito.

Deixe um Comentário Os comentários serão avaliados por um moderador. Comentários considerados inadequados, impróprios ou ofensivos não serão aprovados

*