Cirurgias bariátricas feitas pelo SUS crescem 215% entre 2008 e 2017

O número de cirurgias bariátricas realizadas no País aumentou 46,7% entre os anos de 2012 a 2017, segundo recente levantamento da Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica. Somente no ano passado, foram realizados cerca de 105 mil procedimentos deste tipo em todo o Brasil. Paraná, São Paulo, Minas Gerais e Espírito Santo são os estados que mais realizaram a intervenção cirúrgica pelo SUS, correspondendo a 82% do total.

A elevação do número de bariátricas é o resultado tanto do aumento da população obesa como também da disseminação das informações sobre esse tipo de intervenção médica. Esses são os principais fatores apontados pelo presidente da Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica, Caetano Marchesini.

O volume de cirurgias bariátricas feitas exclusivamente pelo SUS subiu 215% entre os anos de 2008 e 2017. O crescimento anual médio chega a 13,5%, em todo o País. A bariátrica é indicada para aqueles que tem obesidade mórbida.

Nestes casos, o excesso de peso coloca em risco a saúde e reduz o tempo de vida da pessoa. Mesmo depois da cirurgia, o paciente deve manter uma série de cuidados para não engordar novamente. E não é só a alimentação que deve mudar, mas também o psicológico da pessoa.

O médico altera ainda que a cirurgia não faz milagre. O procedimento é o primeiro passo para uma mudança de vida. E foi exatamente o que aconteceu com a enfermeira Helvia da Rocha. Ela passou pelo procedimento há sete anos e de 125 foi para 63 quilos. Hoje ela faz academia todos os dias e sempre participa de maratonas.

Os especialistas afirmam que a perda de pesocde quem passa pela bariátrica costuma ocorrer aos poucos, até um ano e meio depois do procedimento.

Deixe um Comentário Os comentários serão avaliados por um moderador. Comentários considerados inadequados, impróprios ou ofensivos não serão aprovados

*