Com “Muralha Digital”, Curitiba deve ser cercada por câmeras até novembro

Foto: Luiz Costa/SMCS

Em até seis meses, Curitiba deve estar cercada por câmeras capazes de fazer reconhecimento facial e de placas de veículos. A chamada “Muralha Digital” promete amplificar e aprimorar o trabalho da polícia. O projeto prevê a instalação de 820 câmeras de rastreamento que serão monitoradas em tempo real por equipes de segurança.

De acordo com o secretário da Defesa Social e Trânsito, Guilherme Rangel, a iniciativa vai integrar câmeras de toda a cidade a um sistema de comunicação unificado.

O termo “Muralha Digital” foi usado pela primeira vez em uma reunião do presidente Michel Temer com prefeitos de várias cidades, em março deste ano. O prefeito de Curitiba, Rafael Greca, levou a ideia para o debate. A proposta inicial previa, além das câmeras, ações integradas das polícias, incluindo a Polícia Federal e Rodoviária Federal.

Segundo Rangel, o sistema foi inspirado no trabalho da SWAT, uma repartição do Departamento de Polícia de Chicago, no Estados Unidos, onde ele fez um curso na área de segurança pública. A proposta é otimizar o tempo e os serviços dos policiais que estão na rua: ao identificar uma atitude suspeita, a central aciona a viatura mais próxima do local onde pode estar ocorrendo o crime.

As câmeras devem ter também uma tecnologia capaz de identificar placas de veículos. Segundo Rangel, isso permite encontrar casos de débitos pendentes e até inibir ações de furto e roubo.

O projeto está orçado em 35 milhões de reais e vai passar por uma licitação internacional para escolher a empresa que vai fornecer os equipamentos. A proposta é ter o sistema em funcionamento até novembro deste ano.

Comments

  1. Sugiro primeiramente uma Muralha Digital nos cofres públicos do Brasil para identificar os ladrões corruptos que arrebentam com o país.

Deixe um Comentário Os comentários serão avaliados por um moderador. Comentários considerados inadequados, impróprios ou ofensivos não serão aprovados

*