Comunidade artística e amigos se despedem de Saul Trumpet

Foto: Divulgação/Saul Trumpet/Facebook

A comunidade artística e amigos se despediram nesta quarta-feira (1) de Saul Trumpet. O músico morreu em Curitiba, depois de quase um mês internado no Hospital da Cruz Vermelha para se tratar de um câncer, doença que enfrentava há alguns anos. Ele foi casado três vezes e teve quatro filhos.

Ouça aqui o boletim completo:

 

Um dos principais nomes da música instrumental do Paraná, Saul Trumpet, que morreu aos 74 anos, se transformou em um ícone do jazz e da cultura curitibana. Natural de Bandeirantes, no Norte Pioneiro do Paraná, Saul foi para o Rio de Janeiro adolescente, com apenas 13 anos, para se dedicar à música. Aos 20, mudou-se para Curitiba, onde consolidou a carreira.

O compadre e baterista Gilberto Fernandes de Melo, conhecido como Tampinha, tocou com Saul por muitos anos, incluindo nas apresentações mais recentes do músico nos principais palcos de jazz da cidade.

O compositor João Gilberto Tatára tem um bar em Curitiba. Ele conta que Saul Trumpet viveu os últimos meses compartilhando o talento no palco que dividia com músicos até desconhecidos.

Na década de 70, o músico abriu o Saul Trumpet Bar, dedicado ao jazz e onde se apresentaram ícones da cena instrumental. Um dos principais prêmios musicais do Paraná, que existiu até 2003, por oito edições, também levou o nome de Saul Trumpet. O idealizador da premiação, o jornalista e produtor musical Cleverson Garret diz que o Saul Trumpet Bar ajudou a formar um público de jazz em Curitiba e também foi uma escola para várias gerações de músicos.

A cantora e ex-esposa de Saul, Gisele Canto, diz que o músico deixa um legado versátil para a cena musical de Curitiba.

O secretário de Estado da Cultura, João Luiz Fiani, afirma que Saul Trumpet rompeu os limites de Curitiba e se consolidou como um nome importante da música nacional.

Saul Trumpet tocou com diversos músicos, entre eles Waltel Branco, Mauro Senise, Hermeto Pascoal, Leny Andrade, Arismar do Espírito Santo, Proveta, Hélio Brandão e Maurílio Ribeiro.

Deixe um Comentário Os comentários serão avaliados por um moderador. Comentários considerados inadequados, impróprios ou ofensivos não serão aprovados

*