Curitiba é líder em ranking de sustentabilidade das regiões metropolitanas brasileiras, aponta estudo

curitiba-foto-aerea

Foto: Leonel Albuquerque

A Grande Curitiba é líder em um ranking de sustentabilidade das regiões metropolitanas brasileiras baseado em estudo publicado na revista Pnas, da Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos. O estudo considera os fatores habitação, água, saneamento básico e eletricidade à maioria da população. O fornecimento dessas estruturas urbanas permite avaliar se as cidades estão próximas dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da Organização das Nações Unidas – que aliam justiça social à preservação ambiental.

O grupo responsável pelo estudo, que reúne pesquisadores do Santa Fé Institute e da Universidade do Arizona, nos EUA, criou um índice de desenvolvimento sustentável que congrega indicadores de acesso a serviços e infraestrutura urbana. Com ele, analisou as 38 regiões metropolitanas brasileiras, além de 207 municípios da África do Sul. No ranking brasileiro, a região metropolitana de Curitiba aparece com o índice desenvolvimento sustentável de 0,9597. Segundo explicou pesquisador de sistemas complexos que liderou o estudo, Luis Bettencourt, ao portal UOL, quanto mais próximo de 1, mais perto a região está da realização plena dos objetivos no nível metropolitano.

Atrás de Curitiba, mas com índices bem próximos, aparecem a região metropolitana da Foz do Rio Itajaí, em Santa Catarina, de Campinas, São Paulo e Belo Horizonte, todas localizadas na região Sudeste. Salvador, a sexta colocada, é a melhor posicionada da região Nordeste. Já as seis regiões metropolitanas que aparecem na lanterna do ranking são todas das regiões Norte e Nordeste do país. O índice mede a fração da população com acesso a água tratada, saneamento básico, eletricidade e moradia. Esses indicadores estão entre os dados que compõem os 17 objetivos de desenvolvimento sustentável adotados por 193 países e que devem ser alcançados até 2030.

Deixe um Comentário Os comentários serão avaliados por um moderador. Comentários considerados inadequados, impróprios ou ofensivos não serão aprovados

*