Danos causados por rebelião na Penitenciária Central de Cascavel estão sendo contabilizados

Fotos: Chuniti Kawamura/AENoticias – arquivo

A rebelião na Penitenciária Central de Cascavel, no Oeste do Paraná, trouxe danos à unidade que ainda estão sendo contabilizados. Durante uma varredura feita logo após o fim do motim, foram encontrados dois túneis dentro da prisão. O Departamento Penitenciário do Estado admite que podem existir outros pontos de fuga, já que o levantamento dos danos ainda não terminou. A rebelião durou 43 horas, começou na última quinta-feira e só terminou neste sábado. Em coletiva de imprensa, o diretor do Depen, Luiz Alberto Cartaxo garantiu que nenhum preso da penitenciária será transferido por causa da rebelião. Segundo ele, apesar de violento, o motim não provocou estragos comparáveis ao que se viu no episódio de 2014, que deixou 5 mortos e 25 feridos.

As exceções estariam restritas aos casos em que o preso já tem direito a algum tipo de benefício ou progressão. As visitas aos presos estão suspensas até o fim de uma reforma que está sendo feita na unidade. As atividades de ensino e nos canteiros de trabalho também estão paralisadas. O diretor do Depen afirmou ainda que desconhece a participação de facções criminosas na coordenação da rebelião que terminou com um preso morto e outros 28 feridos.

O Depen admite que fugas podem ter ocorrido durante a rebelião, mas não menciona números. O argumento é o de que esse dado depende da conclusão da contagem total de presos da unidade, que ainda está em andamento.

Deixe um Comentário Os comentários serão avaliados por um moderador. Comentários considerados inadequados, impróprios ou ofensivos não serão aprovados

*