Defesa do ex-presidente Lula pede suspensão de perícia em sistemas de pagamento de propina da Odebrecht

Foto: Thaissa Martiniuk / BandNews Curitiba – arquivo

Os advogados do ex-presidente Lula solicitaram ao juiz Sérgio Moro que seja suspensa a perícia nos sistemas de pagamento de propina da Odebrecht, chamados de My Web Day e Drousys.

A petição foi anexada ao processo que acusa o ex-presidente de ter recebido vantagens indevidas da empreiteira pela compra de um terreno onde seria instalada a sede do Instituto Lula e de um apartamento em São Bernardo do Campo. A vistoria foi autorizada pelo magistrado no final do ano passado a pedido do Ministério Público Federal.

A defesa de Lula quer que a perícia seja barrada até que os procuradores esclareçam uma série de pontos. Os advogados alegam que depois do juiz determinar a realização da perícia, surgiram outros elementos que poderiam comprovar a fraude no sistema Drousys, como o depoimento do próprio criador do programa, Sérgio Soares, que afirmou que os dados poderiam ser alterados ou excluídos pelos usuários a qualquer momento.

A defesa quer saber qual foi a base utilizada para fazer referência na ação penal às informações que constam nos sistemas, que controlavam as propinas direcionadas a agentes públicos e políticos.

Os advogados ainda querem que o MPF informe quando teve conhecimento de que a cópia do sistema My Web Day entregue pela Odebrecht no acordo de leniência não poderia ser acessada. Além disso, eles questionam porque o MPF fechou o acordo sem antes saber se conseguiria acessar os sistemas, tão essenciais na produção de provas para os processos.

De acordo com a defesa, a perícia até o momento levou cem dias de análise. Por conta disso, os advogados querem que, depois de uma eventual retomada dos trabalhos, seja concedido um prazo semelhante para análise e manifestação sobre o laudo pericial por parte das defesas dos réus.

Neste processo, Lula responde pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro pelo recebimento de vantagens indevidas da Odebrecht. A empreiteira teria bancado a compra de um terreno onde seria construída a sede do Instituto Lula – o que nunca aconteceu – e de um apartamento em São Bernardo do Campo, em São Paulo. A denúncia foi recebida pelo juiz Sérgio Moro em dezembro de 2016. Em setembro do ano passado, Lula veio a Curitiba para ser interrogado por Moro. O último a depor foi o empresário Glaucos da Costamarques, que foi ouvido novamente no mês de dezembro. Ele alega que assinou vários recibos de aluguel referentes ao apartamento de uma só vez, a pedido do advogado e compadre de Lula, Roberto Teixeira, no período em que esteve internado no hospital.

Deixe um Comentário Os comentários serão avaliados por um moderador. Comentários considerados inadequados, impróprios ou ofensivos não serão aprovados

*