Defesa pede que Claudia Cruz seja absolvida dos crimes de lavagem de dinheiro e evasão de divisas

(Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado)

(Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado)

Em alegações finais, a jornalista Claudia Cruz, mulher do deputado cassado Eduardo Cunha, pediu ao juiz Sérgio Moro para que seja absolvida em ação penal que responde na operação Lava Jato. Claudia Cruz é acusada em primeira instância dos crimes de lavagem de dinheiro e evasão de divisas. O Ministério Público Federal diz que existem indícios de que a mulher de Eduardo Cunha ocultou valores em uma conta secreta no exterior. No documento, os advogados da jornalista alegam que o próprio juiz reconheceu que a conta de Claudia Cruz no exterior “não recebeu qualquer valor proveniente dos supostos atos de corrupção”. Em alegações de 150 páginas, a defesa da jornalista pediu, mais uma vez, que o ex-presidente da Câmara dos deputados seja reinterrogado. Para os advogados, a oitiva é necessária para afastar a culpa de Cláudia Cruz diante das acusações. De acordo com a defesa, o depoimento prestado por Cunha em outra ação penal decorrente da Lava Jato revelou informações que interessam diretamente a jornalista. O juiz Sérgio Moro já havia negado anteriormente um pedido de reinterrogatório de Cunha. Claudia Cruz é apontada pelo Ministério Público Federal como beneficiária das contas atribuídas ao ex-presidente da Câmara no exterior. Os procuradores afirmam que ela tinha plena consciência dos crimes que praticava, e era a única controladora das contas, utilizadas para pagar as despesas no cartão de crédito. Entre 2008 e 2014, ela gastou mais de US$ 1 milhão. O gasto, de acordo com a denúncia do MPF, é “totalmente incompatível com os salários e o patrimônio lícito” dela e de Cunha. A esposa do deputado cassado Eduardo Cunha é ré em uma ação penal ao lado de outras três pessoas. A defesa de Claudia Cruz alega que ela desconhecia a origem dos recursos.

Deixe um Comentário Os comentários serão avaliados por um moderador. Comentários considerados inadequados, impróprios ou ofensivos não serão aprovados

*