Desmatamento de mata atlântica no Paraná aumenta em 88 cidades

Foto: Arnaldo Alves/ANPr

Imagens de satélite analisadas pela Fundação SOS Mata Atlântica indicam que houve redução de floresta nativa em 88 cidades do Paraná entre 2015 e 2016. O levantamento, que leva em conta apenas áreas maiores que três hectares e que eram inalteradas, identificou a derrubada de 3.468 hectares de mata atlântica em dois anos no Paraná. Então, se um hectare equivale a mais ou menos um campo de futebol – no Estado, uma área de aproximadamente 3.400 estádios foi desmatada.

Os cinco municípios com maior desmatamento ficam na região Centro-Sul do Estado, que ainda concentra remanescentes de Floresta de Araucária. Prudentópolis e Bituruna são as cidades onde há mais desmatamento de mata nativa no Paraná.

Na sequência estão Pinhão, Coronel Domingos Soares e General Carneiro. Nos últimos 15 anos, Bituruna foi a cidade que mais desmatou: foram 5 mil e 800 hectares destruídos, segundo o Atlas dos Municípios da Mata Atlântica. De acordo com a diretora-executiva da Fundação SOS Mata Atlântica, Marcia Hirota, as causas do aumento no desmatamento ainda não foram analisadas. No entanto, ela alerta que o trabalho de recuperação das áreas deve ser coletivo.

A diretora-executiva da Fundação lembra que no acumulado dos últimos 30 anos, o Paraná foi o estado que mais suprimiu Mata Atlântica, sendo responsável por um quarto de tudo o que foi derrubado deste tipo de formação florestal no país.

No Brasil, restam menos de 12,5% da área original de Mata Atlântica. No Paraná, o índice cai para 8%. A SOS Mata Atlântica elaborou um site em que os moradores de cada cidade conseguem verificar quais são as áreas nativas remanescentes. No endereço aquitemmata.org.br as pessoas podem ajudar a monitorar as áreas e denunciar desmatamentos. Algumas escolas usam o site como ferramenta de educação nas aulas.

Deixe um Comentário Os comentários serão avaliados por um moderador. Comentários considerados inadequados, impróprios ou ofensivos não serão aprovados

*