Em protesto contra demissões, estudantes ocupam prédio administrativo da UFPR

Foto: Helen Anacleto/BandNewsFM Curitiba

Pelo menos 30 estudantes ocuparam o prédio administrativo da Reitoria da Universidade Federal do Paraná, no início da tarde de hoje (10). No momento da ocupação, 50 servidores trabalhavam dentro do prédio. O ato foi organizado por alunos que protestam contra a demissão de funcionários terceirizados da empresa Blumenauense, lotados no Restaurante Universitário (RU).

O grupo entrou no prédio por volta do meio dia, pouco antes de os funcionários saírem para o horário de almoço. A servidora Joelma Filipowski relata que ficou presa entre a porta e os estudantes.

A ocupação do prédio em que fica o Departamento de Licitações e Contratos (DLIC) da universidade foi organizada por um coletivo de alunos chamado de Frente de Apoio à Luta dos Trabalhadores e Trabalhadoras Terceirizados da UFPR. De acordo com o movimento, pelo menos 13 trabalhadores do RU foram demitidos após participarem de uma greve no ano passado.

Uma estudante do movimento, que não quis se identificar, relata que o coletivo recebeu denúncias de más condições de trabalho entre os terceirizados. Ela conta que as seguidas demissões promovidas pela empresa causaram um aumento nos acidentes de trabalho, já que os funcionários do RU estariam sobrecarregados.

Desde o início do ano, a UFPR mudou o regime de contrato com a Blumenauense, empresa que administra o RU. O modelo de contratação, antes feito por meio de cargos, passou a ser feito por regime de serviços, ou seja, por número de refeições.

Assim, a universidade não tem mais controle sobre a quantidade de funcionários contratados para prestar atendimento aos mais de 10 mil alunos que se alimentam nos restaurantes todos os dias.

Contrária à terceirização dos serviços, a presidente do Sindicato dos Professores da UFPR, Márcia Ribeiro, argumenta que a queda no quadro funcional do RU é reflexo de um corte de recursos que atinge toda a universidade.

O pró-reitor de Administração da universidade, Marco Cavalieri, explica que a terceirização do restaurante universitário visa a economia. Segundo ele, a medida vem sendo tomada em várias instituições federais do país.

De acordo com o pró-reitor, os quatro restaurantes da universidade tinham 209 funcionários no ano passado. No início deste ano, o número caiu para 127 trabalhadores. Após uma notificação da UFPR, o restaurante contratou cerca de 50 novos trabalhadores e, hoje, o quadro funcional conta com 180 profissionais. Cavalieri explica que a redução se deu no início do ano letivo.

A universidade garante que fiscaliza as condições de trabalho dos funcionários terceirizados e que, até agora, não recebeu nenhuma denúncia de más condições. De acordo com o pró-reitor de Administração, o Ministério Público do Trabalho visitou os restaurantes universitários e deve expedir, nos próximos dias, um laudo sobre as condições de trabalho dos terceirizados.

O contrato firmado entre a UFPR e a empresa Blumenauense tem valor de R$ 13 milhões de reais por ano. No ano passado, quando o regime de contrato era por cargos, o contrato era de R$ 8 milhões e 300 mil reais mais um aditivo de quase R$ 5 milhões para compra de insumos. A empresa que administra o RU da UFPR é a mesma que fornece a alimentação dos detidos na Superintendência da Polícia Federal, em Curitiba, entre eles a do ex-presidente Lula.

A reportagem da Bandnews entrou em contato com a Blumenauense e foi informada de que um dos sócios estaria reunido com um advogado para tratar da questão. A empresa disse que voltaria a entrar em contato com a equipe para emitir um posicionamento.

Deixe um Comentário Os comentários serão avaliados por um moderador. Comentários considerados inadequados, impróprios ou ofensivos não serão aprovados

*