Ensino Médio: Português, Matemática e Inglês serão obrigatórias

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Pais, professores e principalmente alunos de todo o país foram surpreendidos por uma Medida Provisória sancionada ontem (quinta, 22) pelo presidente Michel Temer (PMDB) que altera completamente os últimos anos da educação básica. A principal mudança vai ser na grade de disciplinas, mas o texto também aumenta o número de horas/aula e prevê a adoção de ensino integral para metade da rede. A expectativa é de que as novidades comecem a ser colocadas em prática a partir do ano que vem ou de 2018, dependendo apenas de quando a Base Nacional Curricular Comum vai entrar em vigor.

Segundo a MP, somente três disciplinas continuam obrigatórias: língua portuguesa, inglês e matemática. As demais vão ser agrupadas no que o Ministério da Educação (MEC) está chamando de itinerários informativos – o conjunto de matérias que cada estudante vai escolher estudar. Pela nova norma, essa opção terá de ser feita ao fim do primeiro ano do ensino médio, mas a superintendente estadual da Educação, Fabiana Campos, afirma que não há motivo para apreensão.

Os itinerários informativos são agrupados em cinco grandes conjuntos: linguagens, matemática, ciências da natureza, ciências humanas e formação técnica e profissional. Pela Medida Provisória, dentro de cada um deles vai haver cinco disciplinas. Assim, as escolas ou redes de ensino é que vão decidir que outras matérias vão integrar esses itinerários. A superintendente também explica que a MP pegou todos de surpresa.

Atualmente o aluno tem 13 disciplinas fixas em 25 horas de aula por semana. Depois da mudança, além de escolher as matérias que irá cursar, os estudantes ainda vão passar a contar com uma carga horária de duas mil e quatrocentas horas/aula, divididas em mil e duzentas para as disciplinas fixas e outras mil e duzentas dedicadas às optativas. A ideia é permitir que os jovens se aprofundem no estudo das áreas pelas quais tem o maior interesse.

A superintendente concorda que essa revolução vai demandar uma imensa reestruturação da rede de ensino e que vai custar dinheiro, mas garante que vai haver tempo para isso.

O assunto já estava em discussão há anos dentro de um Projeto de Lei que tramita no Congresso desde 2013.

Deixe um Comentário Os comentários serão avaliados por um moderador. Comentários considerados inadequados, impróprios ou ofensivos não serão aprovados

*