Ex-diretor de Serviços da Petrobras, Renato Duque, deve responder por mais três crimes de lavagem de dinheiro

Ex-diretor de Serviços da Petrobras, Renato Duque. (Foto: Divulgação – arquivo)

O Ministério Público Federal adicionou novas informações à denúncia contra o ex-diretor de Serviços da Petrobras, Renato Duque, e o lobista Guilherme Esteves. Com base em documentos enviados por autoridades suíças, os procuradores descobriram que o lobista era titular de uma offshore que foi utilizada para realizar pagamentos de quatro milhões e quatrocentos mil dólares ao ex-executivo da estatal. No total, foram feitas três transferências entre os investigados por meio de empresas de fachada. Por conta disso, o MPF incluiu à denúncia mais três crimes de lavagem de dinheiro.

O juiz Sérgio Moro deu o prazo de cinco dias para que o MPF apresente a origem dos documentos que comprovariam os repasses.

Nesta denúncia, Esteves já era acusado de sete crimes de lavagem de dinheiro e, com a adição das novas informações, ele passa a responder por cometer o crime dez vezes. Duque, que antes não era acusado de cometer o delito, passa a ser denunciado por lavar dinheiro três vezes.

De acordo com o MPF, o lobista teria intermediado o pagamento de vantagens indevidas a agentes da Petrobras em contratos da empresa Estaleiro Jurong com a Sete Brasil, para o fornecimento de sondas para a estatal. O esquema teria funcionado entre os anos de 2011 a 2014.

As investigações apontam que o então gerente executivo da Petrobras, Roberto Gonçalves, e Duque teriam sido beneficiados com a maior parte das propinas. Os ex-executivos da estatal, que à época estavam à frente da Sete Brasil, Pedro Barusco, Eduardo Costa Vaz Musa e João Carlos Ferraz, também receberam valores.

Cerca de dois terços das vantagens indevidas seriam encaminhadas ao Partido dos Trabalhadores por meio do ex-tesoureiro João Vaccari Neto. Junto à denúncia, o MPF incluiu uma planilha dos pagamentos que identificava os beneficiários por meio de siglas.

A denúncia foi recebida pelo juiz Sérgio Moro em março deste ano e está em andamento com a oitiva das testemunhas de acusação. Renato Duque é réu confesso na lava jato. Ele já foi condenado em seis processos decorrentes da operação e as penas somadas ultrapassam setenta anos de prisão.

Deixe um Comentário Os comentários serão avaliados por um moderador. Comentários considerados inadequados, impróprios ou ofensivos não serão aprovados

*