Ex-ministro José Dirceu é acusado pela terceira vez na Operação Lava Jato

O ex-ministro José Dirceu é acusado pela terceira vez desde que passou a ser investigado na Operação Lava Jato. Desta vez, o Ministério Público Federal no Paraná (MPF-PR) oferece denúncia contra o petista por lavagem de dinheiro. Segundo as investigações, Dirceu cometeu 33 vezes este crime, com o objetivo de dissimular propinas de dois milhões e quatrocentos mil reais. Neste contexto, o ex-ministro teria recebido das empreiteiras UTC e Engevix, também investigadas na Lava Jato.

Ao todo, cinco pessoas são acusadas pelo Ministério Público Federal. Além do ex-ministro, podem responder a uma nova ação penal o irmão dele, Luiz Eduardo de Oliveira e Silva, o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto, o ex-executivo da Engevix Gerson de Mello Almada e o ex-executivo da UTC Walmir Pinheiro Santana. Todos já responderam ou respondem a processos da Lava Jato. Os procuradores oferecem a denúncia à Justiça Federal do Paraná e cabe ao juiz Sérgio Moro decidir se abre uma nova ação penal.

A denúncia não está acompanhada de um novo pedido de prisão e, nesta tarde, está na pauta do Supremo Tribunal Federal (STF) o julgamento de um habeas corpus de José Dirceu. O coordenador da força-tarefa Lava Jato no MPF do Paraná, procurador Deltan Dallagnol, considera a manutenção desta prisão fundamental para a investigação.

O procurador da República reconhece que o oferecimento da denúncia foi antecipado para que a data coincidisse com o julgamento do pedido de liberdade do ex-ministro no Supremo. O objetivo, segundo Dallagnol, é trazer “informações relevantes que podem ser, ou não, consideradas pelo STF”. O procurador explica que não foi realizado um novo pedido de prisão para evitar desgastes.

Na denúncia, o MPF aponta que José Dirceu usou parte da propina recebida das construtoras para custear a assessoria de imprensa e imagem durante o julgamento do Mensalão no Supremo Tribunal Federal (STF). Segundo o procurador da República Júlio Carlos Motta Noronha, a assessoria cuidava para que a imagem de José Dirceu não fosse tão desgastava no período em que respondia como réu no STF.

José Dirceu está preso em Curitiba desde o mês de agosto de 2015. Ele foi detido na 17ª fase da Lava Jato – Operação Pixuleco. Até o momento o ex-ministro foi condenado em duas ações penais na primeira instância. Somadas, as penas ultrapassam os 32 anos de prisão.

Deixe um Comentário Os comentários serão avaliados por um moderador. Comentários considerados inadequados, impróprios ou ofensivos não serão aprovados

*