Formandos da UFPR de Palmeira não conseguem pegar becas no prédio da Reitoria

Os formandos de pedagogia da UFPR, do Pólo de Ensino a Distância de Palmeira,na região dos Campos Gerais, não puderam entrar no prédio da Reitoria, em Curitiba, para ter acesso às becas da colação de grau. Os estudantes, que já ocupam o prédio há 14 dias, não permitiram a entrada do grupo.  Os cerca de 20 formandos pagaram 320 reais pelo aluguel das roupas, mas, por causa da ocupação, tiveram que usar as  becas da UEPG. A Direção do Setor de Educação da UFPR emitiu nota hoje acusando os ocupantes de não negociarem com a Coordenação do Curso de Pedagogia.A nota diz ainda que a recusa em negociar atinge o “elo mais frágil e vulnerável da universidade: os estudantes trabalhadores (as) que necessitam das verbas públicas para, entre outras atividades, poder colar grau.” Entre as reivindicações dos estudantes que ocupam a reitoria, desde o dia três de julho, está o aumento da quantidade e valor das bolsas de estudos; acesso gratuito a cursos de línguas para todos os estudantes; aumento do acervo de livros; fim dos espaços privados dentro da universidade; e creche para mães estudantes.

Leia na íntegra a nota de repúdio da Direção do Setor de Educação da UFPR:

Nota da Direção do Setor de Educação

OCUPAÇÃO NA REITORIA DA UFPR PENALIZA ESTUDANTES TRABALHADORES (AS).

Lamentavelmente, os(as) 20 estudantes de Pedagogia do Pólo EaD de Palmeiras
não puderam usar as becas da UFPR para sua solenidade de formatura.

Não obstante as incansáveis tentativas de negociação da Coordenação do
Curso de Pedagogia EaD e da Direção do Setor, os(as) estudantes que ocupam
o prédio da Reitoria não permitiram que os(as) formandos de Palmeiras
pudessem ter acesso às becas da UFPR, por cujo aluguel pagaram o valor de
trezentos e sessenta reais.

A ação deste grupo de estudantes, que não representa o Diretório Central
dos Estudantes da UFPR, legitimamente eleito pelos(as) estudantes de nossa
instituição, atinge o elo mais frágil e vulnerável da universidade: os(as)
estudantes trabalhadores (as) que necessitam das verbas públicas para,
entre outras atividades, poder colar grau.

Causa-nos enorme preocupação quando a Direção do Setor de Educação é
informada de que o Centro Acadêmico Anísio Teixeira, representante eleito
dos estudantes do Curso de Pedagogia da UFPR, tem sido impedido de
participar das reuniões dos “ocupantes do prédio da Reitoria”.

A Direção do Setor de Educação realizou a formatura dos(as) Licenciados
(as) em Pedagogia no Pólo Palmeiras graças ao empenho do Coordenador do
Curso que, com recursos próprios, alugou becas na UEPG para que nossos(as)
formandos (as) da UFPR pudessem realizar adequadamente sua colação de grau.

Na ocasião, diante da grande consternação da comunidade do Município de
Palmeiras, a Direção do Setor deixou claro que a ação que impediu o acesso
às becas aos(às) estudantes formandos(as) não representou a posição da
UFPR, mas sim de uma minoria que penalizou os(as) estudantes trabalhadores
(as) com sua ação de invasão do espaço da Universidade e sua
insensibilidade à solicitação dos(as) estudantes.

POR UMA UNIVERSIDADE PÚBLICA E COM COMPROMISSO SOCIAL VERDADEIRAMENTE PARA
TODOS (AS)!

A Direção do Setor de Educação – UFPR. Jul/2012.

Deixe um Comentário Os comentários serão avaliados por um moderador. Comentários considerados inadequados, impróprios ou ofensivos não serão aprovados

*