Fundação Nacional do Índio considera denúncias contra indígenas inexistentes

A Fundação Nacional do Índio considera que a denúncia de que os indígenas de Nova Laranjeiras, na região central do Paraná, provocam acidentes para saquear as cargas são fatos inexistentes, e que só servem para aumentar o preconceito contra este povo! A afirmação é do coordenador da regional da Funai em Chapecó, Santa Catarina, Pedro Possamai.

A denúncia foi apresentada ontem (quinta), aqui na BandNews FM, com relatos de usuários da BR-277 e com a própria Polícia Rodoviária Federal afirmando a ação dos indígenas. Para o coordenador da Funai, quando os índios saqueiam as cargas de caminhões tombados, o fazem assim como as pessoas normais quando vêem um acidente. Mas descarta qualquer ligação deles com as constantes tragédias, assim como a de terça-feira, que matou 15 pessoas.

No acidente, foi descoberto que o caminhão levava quase meia tonelada de maconha escondida em caixotes de madeira. Mas, ao contrário do que diz o coordenador, os índios não sabiam do conteúdo do carregamento. O inspetor da Polícia Rodoviária Federal na região, Félix Ribeiro, diz que ao longo da rodovia há muitos problemas de roubos por parte dos indígenas.

Este trecho da rodovia é bastante crítico, não só pela reserva, mas pela própria estrutura da rodovia.

Por outro lado, a Polícia Rodoviária Federal confirma que há o problema de saques, mas que não pode fazer muita coisa para coibir.

Do começo do ano até agora, este trecho específico da BR-277, que corta a reserva Rio das Cobras, teve 19 acidentes, com 8 feridos e 19 mortos. Destes, quatro foram índios adultos atropelados por andarem embriagados pela rodovia. O levantamento de ocorrências e saques foi feito pela concessionária EcoCataratas com a Polícia Rodoviária Federal, a pedido do Ministério Público do Paraná. A reserva Rio das Cobras abriga índios das etnias cainganque e guarani, e foi criada há cerca de 20 anos.

 

Deixe um Comentário Os comentários serão avaliados por um moderador. Comentários considerados inadequados, impróprios ou ofensivos não serão aprovados

*