Giro nas Ruas dessa segunda é na Avenida Munhoz da Rocha

Bento Munhoz da Rocha Neto foi um grande personagem paranaense que nasceu em Paranaguá, no litoral, em 17 de dezembro de 1905. Engenheiro formado pela Universidade Federal do Paraná, ele foi professor da UFPR e ainda da PUC Paraná.

Munhoz da Rocha foi presidente do Círculo de Estudos Bandeirantes de Curitiba, do Sindicato dos Engenheiros do Paraná, do Instituto Histórico, Geográfico e Etnográfico do Paraná, além do Instituto de Engenharia do Paraná. Ele também foi ensaísta, historiador, sociólogo e conferencista e considerado um grande intelectual da época.

Munhoz da Rocha também fez carreira na política: foi deputado federal constituinte de 1946 a 1950, e depois governador – foi quando ele criou o Teatro Guaíra e o primeiro Plano Estadual Rodoviário do Paraná Rural. Foi ele também quem construiu a Biblioteca Pública do Paraná, o Centro Cívico, a fundação Copel, parte da Estrada do Café e o Palácio Iguaçu em si, e deu início às obras da Usina Termelétrica de Figueira e de vias importantes como a que liga Londrina e Apucarana.

Bem-sucedido na política estadual, o parnanguara decidiu alçar vôos mais altos e renunciou ao cargo para se candidatar à Vice-Presidência da República. Com isso, a função de chefe do Executivo paranaense foi passada para Antônio Anibelli e, não eleito, Munhoz da Rocha acabou assumindo o Ministério da Agricultura.

Depois de passar pelo alto escalão do governo federal, Bento Munhoz da Rocha foi novamente eleito deputado federal e ficou no cargo até 1962. Na carreira literária, ele escreveu 14 obras, com destaque para “Uma Interpretação das Américas” e “Radiografia de Novembro”.

Munhoz da Rocha morreu em Curitiba no dia 12 de novembro de 1972. E na capital paranaense há várias homenagens à essa personalidade do Estado. Levam o nome dele, por exemplo, um dos auditórios do Teatro Guaíra, uma praça na Avenida Presidente Kennedy e um colégio estadual. O parnanguara é lembrado ainda em um memorial instalado em frente ao Palácio do Iguaçu e num busto na Praça Nossa Senhora da Salete.

 

(Foto: Reprodução/ Google Street View)

Potira Costa Gonçalves é publicitária de formação, mas quando ficou grávida, em 2015, decidiu empreender para tentar garantir um futuro melhor. Foi assim que nasceu a franquia da rede Bolos da Cecília na Avenida Munhoz da Rocha, número 870, que conta até com uma cafeteria para agradar a clientela.

O estabelecimento trabalha apenas com bolos no formato redondo. Potira conta que são cerca de 40 opções de diferentes sabores.

O maior diferencial do estabelecimento é que tudo é feito no local e de uma maneira totalmente artesanal.

A loja Bolos da Cecília abre de segunda a sexta-feira das 9 horas às 18h30 e aos sábados das 9 horas às 19 horas.

(Foto: Reprodução/ Google Street View)

É também na Avenida Munhoz da Rocha que fica o espaço da Maniacs Brewing, que reúne uma fábrica de cerveja, bar e cozinha. De acordo com Iron Mendes, diretor do estabelecimento, a ideia é brincar com as harmonizações dos produtos.

(Foto: Reprodução/ Google Street View)

Ao todo, são mais de 20 rótulos diferentes. A maior parte das cervejas é servida como chopp, mas o estabelecimento também trabalha com algumas linhas engarrafadas especiais.

Um dos grandes diferencias do espaço é que os clientes podem ver a produção das cervejas e têm até a possibilidade de uma visita guiada.

O Maniacs Brewing funciona na Munhoz da Rocha, número 1.049, de terça a sexta-feira das 19 horas às 22 horas e, aos sábados e domingos, das 11 horas  às 22 horas.

(Foto: Reprodução/ Google Street View)

Deixe um Comentário Os comentários serão avaliados por um moderador. Comentários considerados inadequados, impróprios ou ofensivos não serão aprovados

*