Greve de professores federais completa 51 dias

A greve dos professores de universidades federais deste ano já é a maior da história da categoria. A mobilização completou hoje (sábado) cinquenta e um dias, com 89 instituições federais paralisadas. Dois pedidos principais pautam o movimento dos servidores: o reajuste nos salários e a melhoria na infraestrutura das instituições. De acordo com o secretário geral da associação que representa os docentes no Paraná, Rogério Miranda, as instalações das universidades são precárias.

Ontem (sexta-feira), representantes do comando de greve e da administração da UFPR se reuniram, e mais uma vez não houve acordo. Situação que reflete o panorama nacional: segundo Rogério, não há nenhuma proposta efetiva apresentada pelo governo federal.

Enquanto isso, os reflexos são sentidos pelos alunos da Federal: com o calendário suspenso desde o dia 29 de junho, é possível que um semestre inteiro tenha que ser refeito.
Mais uma reunião entre grevistas e administração da UFPR está marcada para a próxima quarta-feira.

Deixe um Comentário Os comentários serão avaliados por um moderador. Comentários considerados inadequados, impróprios ou ofensivos não serão aprovados

*