Grupo especializado em crimes contra a Caixa Econômica é alvo da Operação Duas-Caras

Foto: Divulgação / Agência Brasil – arquivo

Um grupo especializado na prática de diversos crimes contra a Caixa Econômica Federal é o principal alvo da segunda fase da Operação Duas-Caras, deflagrada nesta quarta-feira (11) pela Polícia Federal.

Segundo as investigações, a quadrilha se beneficiou com mais de um milhão de reais, de contas de clientes que possuíam altos valores na poupança. Eram feitos saques consecutivos, até que o cliente descobrisse que estava sendo lesado.

A PF cumpriu nove mandados judiciais, sendo quatro de busca e apreensão, um de prisão preventiva, dois de prisão temporária e dois de condução coercitiva, quando a pessoa é levada a depor, em Curitiba, São José dos Pinhais e Colombo, na Região Metropolitana da capital. Os presos desta nova etapa foram levados à Superintendência da Polícia Federal em Curitiba.

De acordo com as investigações, um funcionário de carreira da Caixa ajudava os criminosos repassando dados dos clientes. O grupo fazia uma série de pequenos saques nos caixas eletrônicos, compras em débito automático e transferências na boca do caixa até que o dinheiro nas contas se esgotasse.

As apurações apontam que foram feitas mais de quatrocentas movimentações bancárias fraudulentas. O funcionário da Caixa pesquisava e identificava contas poupança de clientes com grandes saldos e que não apresentavam histórico de retiradas.

Ele repassava os dados para o líder do grupo criminoso. Na sequência, os investigados entravam em contato com a central de cartões da Caixa e, se passando pelos clientes, informavam a “falsa” perda do cartão para gerar outro. Os cartões eram retirados nos centros de distribuição dos Correios também com o uso de documentos falsos.

Entre os crimes investigados na operação estão furto qualificado, estelionato, peculato, uso de documento falso e associação criminosa.

Deixe um Comentário Os comentários serão avaliados por um moderador. Comentários considerados inadequados, impróprios ou ofensivos não serão aprovados

*