Justiça bate o martelo e duelo entre Furacão e Raposa vai mesmo ser com “torcida única”

A Justiça negou o pedido feito pelo Cruzeiro para tentar liberar a entrada da torcida organizada do clube na partida contra o Atlético Paranaense, marcada para hoje (16), na Arena da Baixada. Segundo o juiz Jailton Juan Carlos Tontini, da 3ª Vara da Fazenda Pública do Foro Central, “a realização de jogos com a chamada torcida única têm ocorrido com frequência em outros Estados da Federação, como São Paulo, Rio de Janeiro e até mesmo Minas Gerais, o que desvela, pelo menos em sede de cognição sumária, a inexistência de ilegalidade”.

O alviceleste fez a solicitação junto à 21ª Vara Cível de Curitiba, que se alegou incompetente e enviou o caso para a outra repartição. A ideia do Cruzeiro era a de que o duelo de hoje à noite, válido pela ida das oitavas de final da Copa do Brasil, contasse com as torcidas dos dois clubes.

O vice-presidente jurídico do Cruzeiro, Fabiano Costa, explica que, antes da medida judicial, o clube tentou dialogar tanto com o promotor Maximiliano Ribeiro Deliberador, responsável pelo projeto do Ministério Público do Paraná que prevê uma série de jogos-teste com torcida única em partidas realizadas na capital paranaense, quanto com representantes do próprio rubro-negro.

A disputa vai ser a primeira promovida na modalidade proposta pelo MP em parceria com as polícias Militar e Civil do Paraná. A ideia é evitar episódios de violência e depredação, e a iniciativa foi aceita pelo Furação.

De acordo com o magistrado que negou o pedido do Cruzeiro, o Estatuto do Torcedor não prevê o direito de que torcidas uniformizadas sejam admitidas nos estádios e tenham espaço reservado para si. O que assegura a lei, portanto, “é que o torcedor, de qualquer das agremiações, possa ingressar no estádio e acompanhar o seu clube, acomodando-se no local indicado em seu ingresso, e isto, pelo que se infere na exordial e dos documentos que a instruem, não está sendo obstado”.

Por outro lado, a decisão não impede que os cruzeirenses comprem ingressos e compareçam ao estádio; eles podem ir sim ao jogo, mas camuflados em meio aos atleticanos porque a entrada de adereços da equipe mineira está proibida. E é isso mesmo o que eles pretendem fazer, conforme a presidente da torcida Cruritiba, Priscila Fonseca.

O objetivo do Ministério Público é estender a medida às partidas do Coritiba, no Couto Pereira, e do Paraná Clube, na Vila Capanema. Em outras palavras, a intenção é dar fim ao espaço para torcidas visitantes em todos os estádios da capital paranaense. Nesta semana, o MP se reuniu com representantes do Coxa e do Tricolor, mas, por enquanto, as equipes não aceitaram a proposta.

A decisão do juiz Jailton Tontini foi proferida nessa terça-feira (15). O rubro-negro foi procurado pela BandNews, mas não quis se manifestar. Já o Cruzeiro pode recorrer, mas a informação divulgada pela assessoria de imprensa da Raposa é a de que o time não vai insistir na solicitação.

Atlético e Cruzeiro entram em campo às 21h45, na Arena da Baixada.

Deixe um Comentário Os comentários serão avaliados por um moderador. Comentários considerados inadequados, impróprios ou ofensivos não serão aprovados

*