Justiça decreta sequestro de apartamento de luxo de Maurício Fanini

A Justiça decretou o sequestro de um apartamento de luxo que pertence ao ex-diretor da Secretaria de Estado da Educação Maurício Fanini e à esposa dele, a fonoaudióloga Betina Moreschi. O imóvel, comprado em 2013 por pouco mais de R$ 1 milhão, tem mais de 224 m2 e fica no bairro Cabral, em Curitiba. O pedido de sequestro foi feito pelo Ministério Público do Paraná, na semana passada. O objetivo é garantir eventual ressarcimento aos cofres públicos em caso de condenação. O coordenador do Gaeco, Leonir Batisti, não descarta que o MP solicite o sequestro de outros bens do casal.

Entre outras coisas, o MP argumenta que o apartamento, inicialmente com financiamento para 30 anos, foi quitado em apenas dois anos, com dois pagamentos feitos por meio da Perfil Luz Representação Comercial, empresa de propriedade do casal. O primeiro, de R$ 300 mil, e o segundo, de pouco mais de R$ 340 mil, apenas uma semana depois. Para os promotores, não restam dúvidas de que a liquidação da dívida se deu com dinheiro ilícito.

Além disso, em 2015  quando as investigações da Operação Quadro Negro já estavam em andamento e logo após Fanini ser exonerado do cargo no governo do Estado, numa tentativa de evitar a localização da titularidade do imóvel, o casal doou o bem aos dois filhos com valor atribuído de apenas R$ 40 mil, para o MP, isso caracteriza a dissimulação de bens.

O casal também responde por corrupção passiva, fraude à execução e organização criminosa. Betina não foi presa como o marido, mas está com o passaporte retido e proibida de deixar a cidade.

Consta ainda no processo que os dois receberam entre R$ 2,3 milhões e R$ 3 milhões em depósitos suspeitos em uma conta conjunta entre 2013 e 2015, renda incompatível com o que era declarada ao fisco.

Fanini está preso por envolvimento no esquema de desvio de recursos públicos destinados à construção e reformas de escolas no Paraná. Ele já havia sido preso temporariamente em 2015, quando a Operação Quadro Negro foi deflagrada, e respondia ao processo em liberdade.

Nesta denúncia, o MP afirma também que o ex-diretor e a esposa chegaram a gastar R$ 76 mil com cartão de crédito em um único mês – o que a Promotoria chama de “notório descompasso com o patrimônio declarado”. As despesas foram com viagens e lojas de artigos de luxo no exterior.

Em uma joalheria mundialmente famosa o casal gastou mais de R$ 24 mil ao longo de 2014. Outros R$ 20 mil foram para compras em uma loja de roupas, bolsas e malas de luxo, e há ainda despesas de mais de R$ 18 mil em relojoarias.

A investigação aponta que Maurício Fanini era o chefe do setor que produzia os laudos fraudulentos sobre o andamento de obras nas escolas estaduais. Sob a gestão dele, a Construtora Valor recebeu mais de R$ 20 milhões por serviços que, na maior parte dos casos, mal saíram do papel.

 

Deixe um Comentário Os comentários serão avaliados por um moderador. Comentários considerados inadequados, impróprios ou ofensivos não serão aprovados

*