Justiça determina soltura de presos temporários da 3ª etapa da Operação Carne Fraca

Todos os presos temporários da terceira etapa da Operação Carne Fraca já estão soltos. A Justiça determinou a soltura do ex-presidente global da BRF Brasil Foods, Pedro de Andrade Faria e de outros seis investigados nesta sexta-feira (09). A determinação do juiz Andre Duszczak, da 1.ª Vara Federal de Ponta Grossa, nos Campos Gerais do Paraná, atende a um parecer do Ministério Público Federal.

Segundo os procuradores, Pedro de Andrade Faria apresentou cópia da rescisão de contrato com a BRF em dezembro do ano passado e, portanto, não representa risco às investigações. Quatro dos 11 presos da terceira fase da operação já haviam sido soltos no decorrer da semana.

Segundo as investigações, cinco laboratórios credenciados no Ministério da Agricultura e laboratórios de análises da BRF teriam fraudado resultados de exames feitos em aves para que o Serviço de Inspeção Federal concedesse certificação.

Entre 2012 e 2015, um frigorífico do Paraná e dois de Goiás ligados à BRF Brasil Foods teriam omitido a presença da bactéria Salmonella em carne de frango para garantir a exportação do produto. Entre os países consumidores estavam a China, África do Sul e a Rússia.

Nesses países, a tolerância à presença da Samonella é quase zero, diferente do Brasil que, por causa da produção em grande escala, estima e aceita que até 20% das mercadorias tenham presença da bactéria. As fraudes teriam ocorrido somente em produtos destinados ao mercado externo.

Deixe um Comentário Os comentários serão avaliados por um moderador. Comentários considerados inadequados, impróprios ou ofensivos não serão aprovados

*