Lei garante funeral gratuito para doadores de órgãos de Curitiba

Foto: Daniel Castellano / SMCS

Familiares de doadores de órgãos não precisam pagar por velório e enterro em Curitiba. Essa é a determinação de uma lei municipal que está em vigor desde janeiro de 2017. Ela isenta os doadores de órgãos de todas as taxas normalmente cobradas para a realização de funerais e enterros na capital. A lei beneficia moradores de Curitiba.

Só no ano passado, 600 famílias não precisaram pagar pelo sepultamento dos parentes. Não são cobrados os valores do serviço especial municipal, das taxas da administração pública e demais tarifas que incluem urna, remoção, taxas de velório e sepultamento. Uma economia de aproximadamente R$ 3 mil.

De acordo com o autor da lei, vereador Cristiano Santos (PV), além de ajudar os familiares com as despesas, a medida foi criada também com o objetivo de incentivar o aumento no número de doares.

Para ser um doador de órgãos, a pessoa precisa expressar em vida a vontade e comunicar os parentes da decisão. Foi o que aconteceu com o irmão de Adriana Henemann. Ele era doador e faleceu no ano passado depois de um Acidente Vascular Cerebral. Segundo a dona de casa, a isenção foi um alívio na hora do desespero e dor.

Segundo o vereador Cristiano Santos, o valor dessas despesas é bancado pela Prefeitura de Curitiba, mas custeado pelas próprias funerárias.

Depois de ter como exemplo o próprio irmão, Adriana Henemann, também resolveu ser doadora de órgãos. Para ela, um ato de amor.

De acordo com dados da Associação Brasileira de Transplante de Órgãos (ABTO), o Paraná alcançou o primeiro lugar em doação de órgãos para transplantes no Brasil. O índice aqui é de 44% por um milhão de pessoas, entre janeiro e março deste ano. Depois do Paraná aparecem na lista Santa Catarina e Ceará.

Deixe um Comentário Os comentários serão avaliados por um moderador. Comentários considerados inadequados, impróprios ou ofensivos não serão aprovados

*