Levantamento nacional mostra que qualidade dos rios da grande Curitiba está regular

Apenas um, entre 11 pontos monitorados dos rios que cortam a região metropolitana de Curitiba, apresenta um Índice de Qualidade da Água (IQA) bom. Outros 9 pontos foram considerados com qualidade regular e um com qualidade ruim. Os números aparecem em um relatório da Fundação SOS Mata Atlântica, divulgado nesta semana.

O documento “Observando os Rios 2018 – O retrato da qualidade da água nas bacias da Mata Atlântica” monitorou diversos pontos de rios de todo o Brasil, entre março de 2017 e fevereiro de 2018. As amostras foram analisadas mensalmente. Na grande Curitiba, foram avaliadas amostras de 7 rios: Iguaçu, Belém, Barigui, Cambuí, Ganchinho, Bacacheri, Itaqui e o Córrego das Pedras. Os pontos de onde as amostras foram retiradas ficam em Almirante Tamandaré, Campo Largo, Piraquara, São José dos Pinhais e Curitiba.

O único ponto onde a qualidade da água foi considerada boa é do Rio Itaqui, em São José dos Pinhais. A análise classifica os rios em uma escala que varia entre qualidade péssima e ótima, mas os rios avaliados no Paraná não figuram entre os extremos dos indicadores. A metodologia usada considerou questões físicas, químicas e biológicas na água, utilizando 16 parâmetros de avaliação, como temperatura da água e do ambiente, turbidez, espumas, lixo flutuante, odor, material sedimentável, peixes, larvas e vermes, entre outros.

Em todo o Brasil, foi avaliada a qualidade da água de 230 rios, córregos e lagos do bioma. A pesquisa mostrou que apenas 4,1% dos 294 pontos de coleta avaliados têm qualidade de água boa, enquanto 75,5% estão em situação regular e 20,4% com qualidade ruim ou péssima. Isso significa que em 96% dos pontos monitorados a qualidade da água não é boa e está longe do que a sociedade quer para os rios.

Nenhum dos pontos analisados foi avaliado como ótimo. O relatório foi apresentado na semana em que o Brasil sedia o Fórum Mundial da Água, em Brasília. A programação começou no domingo (18) e segue até sexta-feira (23). Esta é a oitava edição do Fórum, que ocorre a cada três anos em um país diferente. A primeira edição foi em 1997, no Marrocos.

O encontro deste ano traz o tema “Compartilhando Água”, com a intenção de estabelecer compromissos políticos e incentivar o uso racional, a conservação, a proteção, o planejamento e a gestão da água em todos os setores da sociedade. Neste ano, representantes de 175 países, entre cientistas, governantes, parlamentares, juízes, pesquisadores e demais cidadãos estão reunidos no Fórum.

(Foto: divulgação / Sosma)

(Foto: Divulgação / Sosma)

Deixe um Comentário Os comentários serão avaliados por um moderador. Comentários considerados inadequados, impróprios ou ofensivos não serão aprovados

*