Mapeamento de focos do Aedes aegypti começa nesta quinta

Foto: Pedro Ribas/SMCS

Foto: Pedro Ribas/SMCS

Um levantamento de criadouros do mosquito Aedes aegypti começa a ser feito a partir desta quinta-feira, 18, em imóveis localizados na capital paranaense. A iniciativa é da Prefeitura da cidade. De acordo com a Administração Municipal, agentes de endemias dos 10 distritos sanitários da Secretaria de Saúde de Curitiba visitam casas, estabelecimentos comerciais e terrenos. Eles buscam identificar possíveis criadouros do mosquito, que transmite a dengue, a zika e a chikungunya, e a orientação é a de que os moradores fiquem atentos e acompanhem as vistorias.

O levantamento é uma diretriz do Ministério da Saúde e integra a ação “Curitiba sem Mosquito” – uma das metas da Prefeitura em relação ao vetor. A ideia do governo federal é que as informações permitam a elaboração de um mapa das áreas endêmicas de cada município, permitindo assim o planejamento de iniciativas de combate. A escolha dos locais a serem visitados é feita por sorteio, dentro de uma metodologia aplicada em todo o país em função da densidade populacional e do número de imóveis. O resultado vai ser o índice de infestação do Aedes e a intenção é que essa taxa fique abaixo de 1%.

No ano passado, nessa mesma época, Curitiba ficou dentro do esperado e, em 2017, duas iniciativas do tipo devem ser realizadas – uma agora e outra no mês de novembro. A ação “Curitiba sem Mosquito” prevê um trabalho continuado e intenso de limpeza pública em áreas que apresentaram um maior número de focos do mosquito em 2016. Em uma delas, os agentes comunitários da Secretaria de Saúde visitam residências e comércios para orientar a retirada de entulhos que possam servir de criadouros do mosquito.

Eles também entregam filipetas informativas e, em uma data marcada, um caminhão da Secretaria Municipal de Meio Ambiente recolhe o material. No ano passado, isso representou um volume de quase uma tonelada.

Deixe um Comentário Os comentários serão avaliados por um moderador. Comentários considerados inadequados, impróprios ou ofensivos não serão aprovados

*