Marcada audiência de responsáveis por canil ilegal

Está marcada para a próxima quinta-feira (09/08) a audiência com os responsáveis pelo canil ilegal que foi fechado no dia 12 de julho no bairro Capão Raso. No local, 58 cães de raça eram mantidos em péssimas condições. Para se ter um exemplo, caixas com menos de um metro quadrado chegavam a abrigar oito cães. Além disso, os donos do canil comercializavam os animais, mesmo sem autorização, como explica a presidente da Sociedade Protetoras dos Animais em Curitiba, Soraia Simon.

O casal responsável pelo canil vai responder por crime ambiental, por prática de abuso e maus tratos aos animais. A delegacia de proteção ao meio ambiente investiga a participação de outras pessoas na venda dos cães. Desde a descoberta do canil, três cachorros morreram por complicações. Por causa disso, os acusados tendem a ter as penas aumentadas. Casos como esse não são incomuns. No bairro Cajuru, em março deste ano, outro canil clandestino foi descoberto e fechado pela Rede de Proteção Animal de Curitiba. Por causa desse fechamento, alguns cães foram entregues a outras pessoas.  Uma delas é a assistente administrativa Katiucia Marry (lê-se Marrí). Ela contou para a reportagem que teve a casa invadida pela antiga dona do canil que levou a cadelinha dela embora.

A Sofia, nome da cadelinha de Katiucia, já foi recuperada. A mulher que levou o cão agora vai responder por invasão de domicílio, furto e maus tratos. E se você sabe de canis irregulares ou de pessoas que tratam mau os animais, pode denunciar para a Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente. O número do telefone é 3356-7047.  As entidades de proteção aos animais alertam à população a sempre procurar conhecer a origem dos cachorros que são vendidos em feiras e pet shops, para saber se eles foram criados em condições adequadas. Segundo a lei municipal, é proibida a criação de animais para a venda em áreas urbanas. A atividade só é permitida em regiões rurais de Curitiba.

Deixe um Comentário Os comentários serão avaliados por um moderador. Comentários considerados inadequados, impróprios ou ofensivos não serão aprovados

*