Migração de bandidos preocupa moradores do bairro Lindóia

Moradores do bairro Lindóia, na região Sul de Curitiba, reclamam da migração de bandidos depois da instalação da Unidade Paraná Seguro no bairro Parolin. A segunda UPS de Curitiba foi instalada no início de maio e, desde então, cresceu a reclamação por falta de policiamento. De acordo com a farmacêutica Ana Carolina Pudelko, que mora desde que nasceu no bairro Lindóia, aumentou o número de pessoas consumindo drogas nas ruas e diminuiu a sensação de segurança. Ela conversou com Iara Maggioni.

O assalto ao qual Ana Carolina se refere aconteceu hoje (sexta) de manhã. Dois homens invadiram a residência de uma mulher de 60 anos e torturaram a idosa para conseguir roubar o veículo da vítima. Logo depois eles foram presos, pois dentro do carro havia um aparelho com uma ferramenta que possibilita a localização. O pastor Werner Seibel reclama da falta de policiamento.

Já um comerciante que pediu para não ser identificado disse que teve a casa invadida já por duas vezes. Ele conta que tenta se proteger instalando equipamentos de segurança, como alarmes e portões eletrônicos.

Na primeira instalação da Unidade Paraná Seguro, no bairro Uberaba, no mês de março, o colunista de segurança da BandNews, general Augusto Heleno, alertou sobre a possibilidade de bandidos migrarem para outras áreas da cidade. De acordo com ele, ações como essa são positivas, mas precisam ser tomadas com cuidado, já que o estado não dispõe de policiais para estarem em todas as áreas mais violentas. A assessoria de imprensa da Polícia Militar foi procurada e informou que, em casos como esse, é preciso que a população denuncie ao número 190 da PM, porque a polícia trabalha com estatísticas e se não houver denúncia não há como contabilizar esses dados. E são esses levantamentos que dão base para programar as ações de segurança nas cidades. Frente à denúncia da BandNews, a polícia informou que vai verificar o problema.

Deixe um Comentário Os comentários serão avaliados por um moderador. Comentários considerados inadequados, impróprios ou ofensivos não serão aprovados

*