Moradores de Campo Largo denunciam ‘cemitério’ de veículos apreendidos pela Polícia Civil

(Foto: Reprodução/Google Street View)

Os moradores de uma rua de Campo Largo, na região de Curitiba, não sabem mais o que fazer para ter de volta a liberdade de circular pela via. Eles reclamam que o logradouro virou uma espécie de cemitério de veículos que têm atraído bandidos interessados no furto de peças e acessórios.

São carros e caminhões apreendidos pela Polícia Civil na cidade. Mas como o pátio da delegacia não é grande o bastante para dar conta da demanda, a via pública virou estacionamento. É o que explica o motorista Gilmar Zacarias Batista.

O problema não é novidade e nem está restrito ao município de Campo Largo. Em várias outras cidades o cenário é bem parecido e provoca o mesmo tipo de situação. Isso já aconteceu, por exemplo, no entorno da Divisão de Narcóticos, no bairro Rebouças, em Curitiba, e nos arredores da Delegacia do Alto Maracanã, em Colombo.

Outros moradores de Campo Largo entraram em contato com a BandNews e confirmaram o problema. Por meio da assessoria de imprensa, O Detran Paraná, em contato com a Ciretran da cidade, informou que a reponsabilidade dos veículos é da Polícia Civil.

A reportagem também procurou a Polícia Militar, e a informação repassada foi a de que as equipes atuam sempre que são acionadas, mas que o patrulhamento na região vai ser reforçado.

Já a Polícia Civil admite o problema, esclarece que têm ciência do acúmulo de veículos apreendidos no entorno da Delegacia de Campo Largo e que está trabalhando em conjunto com o Poder Judiciário local para dar uma solução ao impasse.

Entre as opções em análise estariam leilões e o encaminhamento para depósitos. Por meio de nota, a Corporação ressalta ainda que, “de 2016 até agora foram retirados cerca de 40% dos veículos, restando atualmente apenas caminhões”. A remoção deles também já estaria em fase de estudos.

Deixe um Comentário Os comentários serão avaliados por um moderador. Comentários considerados inadequados, impróprios ou ofensivos não serão aprovados

*