Moro coloca 11 milhões de Adriana Ancelmo à disposição do Rio de Janeiro

Foto: Divulgação – arquivo

Cerca de 11 milhões de reais que foram bloqueados das contas de Adriana Ancelmo, esposa do ex-governador Sérgio Cabral, foram colocados à disposição da 7ª Vara Criminal do Rio de Janeiro pelo juiz federal Sérgio Moro. O montante estava depositado desde o fim do ano passado em uma conta judicial no Paraná.

Apesar da absolvição pela 13ª Vara Federal de Curitiba, Adriana Ancelmo responde a outras ações penais no estado fluminense. De acordo com o magistrado, ainda assim os recursos podem constituir produto de crime lavagem de dinheiro e devem ser submetidos a outro juízo.

Desta forma, ao invés de determinar a liberação dos valores, o juiz Sérgio Moro preferiu transferi-los para contas indicadas pelo juiz Marcelo Bretas, que julga ações penais da Lava Jato no Rio de Janeiro. Na mesma sentença que absolveu Adriana Ancelmo por falta de provas suficientes, a Justiça Federal do Paraná condenou Sérgio Cabral a 14 anos e 2 meses de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro.

O ex-governador teria recebido pelo menos R$ 2 milhões e 700 mil reais em propina da empreiteira Andrade Gutierrez, entre os anos de 2007 a 2011. O montante é referente as obras da Petrobras no Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj). O ex-secretário de governo do Rio, Wilson Carlos, o ex-assessor de Cabral, Carlos Carvalho de Miranda, também foram condenados.

Mônica Macedo Carvalho, mulher de Wilson Carlos, foi absolvida. O Ministério Público Federal informou por meio de nota que vai recorrer da absolvição de Adriana Ancelmo e de Mônica Macedo Carvalho. O recurso será protocolado no Tribunal Regional Federal, em Porto Alegre. O MPF entende que as provas produzidas demonstram que as duas participaram dos crimes cometidos de forma consciente.

Além disso, os procuradores da força-tarefa da Lava Jato informaram que vão pedir ao TRF4 o aumento significativo das penas aplicadas aos condenados no processo.

Deixe um Comentário Os comentários serão avaliados por um moderador. Comentários considerados inadequados, impróprios ou ofensivos não serão aprovados

*