Moro determina que José Dirceu deixe a cadeia com tornozeleira eletrônica

O ex-ministro da Casa Civil, José Dirceu, já está em liberdade, mas será monitorado por uma tornozeleira eletrônica por determinação do juiz federal Sérgio Moro.

Em despacho, o magistrado disse que é prudente manter a vigilância eletrônica para que os deslocamentos do ex-ministro possam ser controlados. Por volta de quatro horas da tarde desta quarta-feira (03), o petista deixou o Complexo Médico Penal, em Pinhais, na região metropolitana de Curitiba.

Ele foi escoltado pela Polícia Federal até a sede da Justiça Federal do Paraná para colocar o aparelho de monitoramento. Manifestantes favoráveis e contrários à liberação de Dirceu aguardavam a saída do ex-ministro gritando palavras de ordem.

Em certo momento, também houve bate-boca entre os manifestantes. As polícias Militar e Federal fizeram um cordão de isolamento em frente à Justiça Federal, para evitar conflitos. Depois de colocar a tornozeleira, Dirceu saiu em um veículo particular e seguiu para Brasília, onde tem residência.

Por questões de segurança o endereço na capital federal será mantido em sigilo. Podval se disse satisfeito com a decisão do Supremo de conceder o habeas corpus a Dirceu, mas criticou a banalização das prisões na Lava Jato.

Além de usar tornozeleira eletrônica, o juiz Sérgio Moro determinou outras cinco medidas cautelares. O ex-ministro está proibido de deixar a cidade onde vai cumprir pena; não pode se comunicar com outros acusados ou testemunhas da Lava Jato; deve comparecer a todos os atos do processo e todas as intimações; está proibido de deixar o Brasil; e deve entregar os passaportes à Justiça. O advogado Roberto Podval defendeu as medidas cautelares e disse que a prisão preventiva deveria ser a última alternativa usada pela Justiça. O criminalista também comentou que não se pode fazer qualquer julgamento levando em conta a opinião popular.

José Dirceu foi preso em agosto de 2015 durante a 17ª fase da operação Lava Jato, chamada de Pixuleco. O ex-ministro já foi condenado duas vezes em primeira instância e pode responder ainda a um terceiro processo, caso a Justiça Federal do Paraná acolha nova denúncia apresentada na última terça-feira (02) pelo Ministério Público Federal. Sobre este assunto, o advogado do ex-ministro disse que os procuradores da força-tarefa da Lava Jato levaram a investigação para o lado pessoal.

Em primeira instância, o ex-ministro recebeu sentenças que, somadas, passam dos 32 anos de prisão. Apesar de o STF ter concedido habeas corpus a José Dirceu, o ex-ministro pode retornar para a prisão assim que o Tribunal Regional Federal da 4ª Região confirmar em segunda instância pelo menos uma das sentenças.

Deixe um Comentário Os comentários serão avaliados por um moderador. Comentários considerados inadequados, impróprios ou ofensivos não serão aprovados

*