Moro ouve mais quatro testemunhas de acusação no processo do Sítio de Atibaia

Nesta quarta-feira (07) o juiz Sérgio Moro vai ouvir mais quatro testemunhas na ação penal que acusa o ex-presidente Lula de receber vantagens indevidas da Odebrecht e da OAS por meio de benfeitorias no Sítio de Atibaia. Entre as pessoas que prestam depoimento estão os ex-executivos da Schahin Engenharia, Milton e Salim Schahin, e o ex-presidente da Braskem, Carlos José Fadigas. As audiências seguem até o dia 26. Na sequência serão ouvidas as testemunhas de defesa.

De acordo com a denúncia do Ministério Público Federal, as reformas no sítio custaram cerca de um milhão de reais. Os recursos teriam vindo de seis contratos firmados entre as empreiteiras OAS e Odebrecht com a Petrobras. Em troca, Lula teria beneficiado as empresas mantendo nos cargos os ex-executivos da estatal Renato Duque, Paulo Roberto Costa, Jorge Zelada, Nestor Cerveró e Pedro Barusco, que estavam à frente do esquema de corrupção. Todos já foram condenados na lava jato.

A defesa do ex-presidente diz que “não existe qualquer elemento mínimo que permita cogitar que Lula praticou qualquer dos crimes indicados pelo MPF”. Segundo a defesa, Lula não é dono da propriedade, que está registrada em nome dos empresários Jonas Suassuna e Fernando Bittar. Suassuna é sócio de um dos filhos do ex-presidente. Fernando Bittar é filho de Jacó Bittar, ex-prefeito de Campinas e amigo de Lula. Todos alegam que a propriedade era apenas usada pelo ex-presidente.

Deixe um Comentário Os comentários serão avaliados por um moderador. Comentários considerados inadequados, impróprios ou ofensivos não serão aprovados

*