MP entra com ação de improbidade administrativa sobre funcionários fantasmas na ALEP

O Ministério Público do Paraná entrou ontem com mais uma ação de improbidade administrativa envolvendo a contratação irregular de funcionários da Assembleia Legislativa. Os promotores pedem o bloqueio de R$ 213,2 milhões para garantir o ressarcimento do dinheiro público que teria sido desviado no pagamento de dez fantasmas da Casa, além de eventual multa. Dois deputados estaduais foram responsabilizados pelos erros administrativos e pelas contratações irregulares: o ex-presidente da Casa Nelson Justus (DEM) e o ex – primeiro secretário Alexandre Curi (PMDB). Além deles, também aparecem como responsáveis pelos desvios o ex-diretor geral da Assembleia Abib Miguel, o ex-diretor administrativo José Ary Nassiff e o ex-diretor de pessoal Cláudio Marques da Silva. Até agora foram propostas quatro ações de improbidade administrativa pelo Ministério Público. Na ação, além de pedir o ressarcimento aos cofres públicos, o MP pede a condenação dos cinco pela prática de ato de improbidade administrativa. Neste caso, as sanções podem variar da perda do cargo público até a suspensão dos direitos políticos por até dez anos. A BandNews ligou para o celular do deputado Alexandre Khury, mas foi informada que ele estava num velório e retornaria assim que possível. O celular do deputado Nelson Justus estava desligado, mas a reportagem deixou recado e aguarda contato.

Deixe um Comentário Os comentários serão avaliados por um moderador. Comentários considerados inadequados, impróprios ou ofensivos não serão aprovados

*