MPF pede 30 anos de condenação para Aldemir Bendine

Em alegações finais de um processo decorrente da 42.ª fase da Lava Jato, o Ministério Público Federal pede a condenação do ex-presidente da Petrobras Aldemir Bendine. Os crimes citados são os de corrupção, lavagem de dinheiro, organização criminosa e embaraço às investigações. O documento foi incluído nesta terça-feira (30) no processo.

Os procuradores também pedem a condenação de mais quatro réus da ação penal, entre eles o empresário Marcelo Odebrecht, e a absolvição do empresário Antônio Carlos Vieira da Silva Júnior, que chegou a ser preso durante a investigação. Silva Júnior é sócio do irmão, André Gustavo Vieira da Silva, contra quem o Ministério Público Federal mantém o pedido de condenação.

Os procuradores pedem ainda que sejam confiscados R$ 3 milhões, com juros e correção monetária, que seriam o equivalente ao total da propina que Bendine teria recebido da Odebrecht para intermediar a contratação da empreiteira pela Petrobras. Ao citar as penas que podem ser fixadas, o Ministério Público Federal chega a sugerir que 30 anos de prisão seria o ideal para crimes de corrupção. Os procuradores partem do princípio que apenas um terço da pena é cumprido na prática no Brasil.

Aldemir Bendine assumiu o comando da Petrobras em 2015. Nomeado pela então presidente da República, Dilma Rousseff, ele tinha a missão de desmobilizar o esquema de corrupção na estatal. Ao ser interrogado, Bendine disse que cumpriu com todos os objetivos enquanto esteve no cargo e que hoje é vítima de uma brutal perseguição. A defesa do ex-presidente da Petrobras pediu para que fossem feitas diligências complementares no processo, mas a solicitação foi rejeitada pelo juiz Sérgio Moro.

A intenção de Bendine era se defender da acusação de ter recebido R$ 950 mil em espécie do publicitário e réu André Gustavo Vieira. O ex-presidente da Petrobras está preso desde 27 de julho e atualmente permanece no Complexo Médico Penal em Pinhais, na região metropolitana de Curitiba.

A ação penal a que responde está em fase final de instrução. Depois das conclusões dos procuradores da Força Tarefa Lava Jato, agora será a vez dos réus apresentarem as alegações finais. Em seguida, o juiz Sérgio Moro pode elaborar a sentença.

Deixe um Comentário Os comentários serão avaliados por um moderador. Comentários considerados inadequados, impróprios ou ofensivos não serão aprovados

*