No terceiro dia de paralisação, caminhoneiros bloqueiam Linha Verde

(Foto: divulgação/PRF)

Caminhoneiros do Paraná que participam da paralisação nacional da categoria, que começou na segunda-feira (23), deslocaram protestos e bloqueios de estradas para mais perto dos centros urbanos. No final da tarde desta quarta-feira (23), motoristas bloquearam a Linha Verde nos dois sentidos no bairro Pinheirinho, em Curitiba, na altura da fábrica Mili (produtos higiênicos e de limpeza).

A rodovia (BR-476) ficou totalmente bloqueada por cerca de dez minutos e em seguida teve uma faixa liberada em cada sentido. O movimento no horário de pico fez com que motoristas enfrentassem congestionamento mesmo com a liberação parcial.  O caminhoneiro Barthos Edson Rodrigues faz o transporte de cargas para todo o país e desde segunda-feira está acompanhando e participando das manifestações.

Ele diz que o bloqueio na Linha Verde dá mais visibilidade aos protestos, que não têm data para terminar.

Segundo Barthos Rodrigues, assim como Volvei Inácio, que é dono de uma transportadora e também motorista, o preço do diesel tem inviabilizado a atividade de transporte. O custo do combustível chega a representar 65% do valor do frete.

O caminhoneiro Wilson de Oliveira, que também se juntou aos manifestantes no bloqueio da Linha Verde, diz que somente nesta quarta-feira (23) enfrentou três interdições em pontos diferentes de rodovias que cortam Curitiba. Ele conta que foi orientado pela direção da empresa na qual trabalha a aderir ao movimento e não fazer novos carregamentos.

Um grupo de motoristas de vans da região de Curitiba se organizou por redes sociais e foi em carreata até o local da manifestação. O motorista Rodrigo Miranda diz que o preço dos combustíveis também tem sido um entrave para a atividade de transporte de passageiros.

Durante o protesto na Linha Verde, os manifestantes receberam apoio de diversos motoristas, especialmente os motociclistas. Ônibus e veículos que fazem serviços de emergência tiveram a passagem liberada com prioridade.

Deixe um Comentário Os comentários serão avaliados por um moderador. Comentários considerados inadequados, impróprios ou ofensivos não serão aprovados

*