Novo porto deve aumentar em até 55% a capacidade de escoamento de mercadorias do Estado

A carga tem como destino a China. Porto de Paranaguá. Fotos: André Kasczeszen / AENotícias Pr/arquivo

Até maio de 2020 um novo porto deve começa a operar no Estado: o Porto Pontal, que será construído em Pontal do Paraná. Para isto, uma Faixa de Infraestrutura deve ser licitada pelo governo do Estado até o mês que vem. O projeto prevê a abertura de uma rodovia de pista simples de 17 km paralela à PR-412, entre a PR-407 e a Ponta do Poço. Representantes de diversas Ongs e ambientalistas questionam a obra e alegam que a construção pode gerar danos à Mata Atlântica, à fauna e à flora da região. No entanto, segundo o presidente do Porto Pontal, Patrício Júnior, todas as mudanças na região estão seguindo uma série de exigências para reduzir ao máximo o impacto ambiental.

A construção do porto no final da Faixa de Infraestrutura, a uma distância de três quilômetros da Ilha do Mel, também é questionada por 15 entidades, entre elas o Observatório de Justiça e Conservação, a SOS Mata Atlântica e a Sociedade de Pesquisa em Vida Selvagem e Educação Ambiental. Do outro lado, outras instituições apoiam a obra pensando na mobilidade da população local. A Associação Comercial da região, por exemplo, promove uma campanha chamada “Estrada Já”. O Presidente do Porto Pontal pontua que toda a economia paranaense irá ser beneficiada com a estrutura.

A intenção é ampliar em até 55% a capacidade portuária do Estado com a nova estrutura. O empreendimento já obteve a Licença de Instalação. Ao jornal Metro, o Governo do Estado argumentou, por meio da Secretaria de Infraestrutura e Logística, que nesta primeira etapa vai investir na nova rodovia e no canal de drenagem, que foram aprovados pelo Instituto Ambiental do Paraná e tiveram a viabilidade ambiental atestada pelo Estudo de Impacto Ambiental, considerando que os danos serão mitigados ou compensados.  O Governo afirma ainda que “os ganhos que virão da construção serão grandes e beneficiarão muito a população, o município e o próprio meio ambiente”.

Deixe um Comentário Os comentários serão avaliados por um moderador. Comentários considerados inadequados, impróprios ou ofensivos não serão aprovados

*