O ex-gerente de engenharia da Petrobras tem pedido de liberdade negado pelo TRF4

Ex-gerente de engenharia da Petrobras, Roberto Gonçalves. (Imagem / divulgação)

O ex-gerente de engenharia da Petrobras, Roberto Gonçalves, acusado de envolvimento no esquema de corrupção na estatal, teve o pedido de liberdade negado em segunda instância. Ele foi condenado pelo juiz Sérgio Moro a 15 anos e dois meses por corrupção, lavagem de dinheiro e participação de organização criminosa. A negação do habeas corpus foi decidida por unanimidade pela oitava turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, em Porto Alegre.

Gonçalves foi o principal alvo da trigésima nona fase da Operação Lava Jato. Ele é acusado de receber 12 milhões e 800 mil reais em propina das construtoras Odebrecht e UTC relativas a contratos para obras do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro, Comperj.

No pedido de habeas corpus, a defesa de Roberto Gonçalves alegou que o réu tem residência fixa e bons antecedentes e que a manutenção da prisão corresponderia a uma “execução antecipada de pena”. De acordo com as investigações, o ex-executivo teria usado contas no exterior, em nome de offshores, para receber a propina, inclusive em 2014, quando a força-farefa Lava Jato já havia desvendado o esquema de corrupção instalado na Petrobras. Roberto Gonçalves está detido desde março deste ano e cumpre pena no Complexo Médico Penal, em Pinhais, na região metropolitana de Curitiba.

Deixe um Comentário Os comentários serão avaliados por um moderador. Comentários considerados inadequados, impróprios ou ofensivos não serão aprovados

*