Operação Duas Caras investiga esquema criminoso que violou poupanças de clientes da Caixa Econômica

Imagem / divulgação Polícia Federal

Pelo menos 70 clientes da Caixa Econômica tiveram poupanças violadas em um esquema criminoso investigado na Operação Duas Caras, deflagrada nesta sexta-feira (15). De acordo com a Polícia Federal, um funcionário de carreira do banco ajudava criminosos que desviaram um milhão e trezentos mil reais de poupanças de clientes. A polícia prendeu 12 pessoas suspeitas de participação no esquema. Um investigado não foi localizado. Os presos foram levados à Superintendência da PF em Curitiba. De acordo com o delegado Rodrigo Martins Moraes da Silva, os criminosos faziam uma série de saques nos caixas eletrônicos, compras em débito automático e transferências na boca do caixa até que o dinheiro nas contas se esgotasse.

De acordo com a Polícia Federal, o funcionário da Caixa pesquisava e identificava contas poupança de clientes com grandes saldos e que não apresentavam histórico de retiradas. Ele repassava os dados para o líder do grupo criminoso. O funcionário, então, solicitava a emissão de documentos falsos e complementava os demais dados necessários com outros participantes do grupo, que geralmente possuíam acesso a banco de dados, em razão das profissões que exerciam. Na sequência, os investigados entravam em contato com a central de cartões da Caixa e, se passando pelos clientes, informavam a “falsa” perda do cartão para gerar outro. Os cartões eram retirados nos centros de distribuição dos Correios também com o uso de documentos falsos.

A polícia afirma que o líder do esquema, preso nesta sexta em Curitiba, ficava com maior parte dos recursos desviados. O funcionário da Caixa, que também foi preso, ficava com 20% do valor. Entre os crimes investigados na operação estão furto qualificado, estelionato qualificado, peculato, uso de documento falso, falsificação de documento público e associação criminosa. Outras dez pessoas foram presas e uma não foi localizada. Ao todo, a polícia investiga a participação de 20 pessoas no esquema criminoso.

As vítimas que tiveram saques irregulares em poupanças foram ressarcidas pela Caixa Econômica Federal. Entre elas está um ex-jogador do Atlético Paranaense, Anderson Lopes. O jogador teve passagem pelo Furacão em 2016 e atualmente joga em Hiroshima, do Japão. Em nota, a Caixa Econômica afirma “que está colaborando com as investigações da Polícia Federal e que manterá cooperação integral com os trabalhos”.

Deixe um Comentário Os comentários serão avaliados por um moderador. Comentários considerados inadequados, impróprios ou ofensivos não serão aprovados

*