Paraná teve o segundo maior saldo de desemprego de bancários em 2017

O Paraná teve o segundo maior saldo de desemprego de bancários do país em 2017. Os bancos com atividades no estado fecharam 3.017 vagas no ano passado. A Pesquisa do Emprego Bancário da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf) e do Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese) indica que o Paraná fica apenas atrás de São Paulo no ranking do desemprego no setor.

Entre janeiro e dezembro de 2017, de acordo com o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), as instituições bancárias fecharam 17.905 postos de trabalho no país. O saldo negativo foi resultado de 43.197 desligamentos nos últimos meses, contra apenas 25.292 admissões. A maior parte das demissões está relacionada aos Programas de Desligamento Voluntário (PDV´s) do Banco Bradesco e da Caixa, divulgados logo após a aprovação da Reforma Trabalhista pelo Senado Federal.

São Paulo é o recordista em fechamentos de postos de trabalho bancário, com um saldo negativo de 5.174 vagas. Em terceiro lugar, está o Rio de Janeiro, com 2.015 postos fechados. Segundo o economista do Dieese Fabiano Camargo da Silva, a maior parte das demissões de bancários no Paraná tem relação com a venda para o Bradesco do HSBC, que mantinha quatro centros administrativos em Curitiba.

Segundo o economista, os empregos no setor bancário estão em queda há alguns anos, apesar das altas taxas de lucro das instituições financeiras. Para Fabiano do Silva, a Reforma Trabalhista agrava a situação.

A Pesquisa do Emprego Bancário mostra que apenas a Paraíba e o Acre apresentaram saldos positivos em 2017. Na Paraíba foram abertos 87 postos de trabalho e no Acre, 5. Todos os demais estados brasileiros apresentaram saldo negativo no período.

Deixe um Comentário Os comentários serão avaliados por um moderador. Comentários considerados inadequados, impróprios ou ofensivos não serão aprovados

*