Pessoas que viram acidente são testemunhas-chave no júri do caso Carli Filho

Pessoas que presenciaram o acidente que resultou na acusação de duplo homicídio contra o ex-deputado federal Luiz Fernando Ribas Carli Filho são consideradas testemunhas-chave do processo. Daqui a uma semana, em 27 de fevereiro, começa o júri popular do caso.

Ribas Carli Filho será julgado pela morte dos jovens Gilmar Yared, de 26 anos, e Murilo de Almeida, de 20, em um acidente que ocorreu em 7 de maio de 2009, no bairro Mossunguê, em Curitiba. As investigações apontam que o ex-deputado dirigia acima de 160 km/h, quando bateu no carro onde estavam os dois rapazes. A velocidade máxima permitida era de 60 quilômetros por hora na  Rua Ivo Zamlorenzi, a rápida Campina do Siqueira-Centro, por onde Carli trafegava.

Até oito testemunhas podem ser ouvidas no julgamento. Entre elas está a deputada federal Christiane Yared, mãe de uma das vítimas. Segundo o assistente de acusação, advogado Elias Mattar Assad, quatro testemunhas que estavam próximas ao local do acidente são fundamentais.

Mattar Assad diz que até o dia do julgamento algumas testemunhas podem desistir de participar. O julgamento está marcado para os dias 27 e 28 de fevereiro, terça e quarta-feira da semana que vem. Cerca de 200 pessoas vão poder acompanhar as sessões. A 2ª Vara do Tribunal do Júri de Curitiba vai distribuir senhas na próxima sexta-feira, dia 23, para os interessados em assistir ao júri.

Comments

  1. Sonia Jingryd says:

    Espero que as testemunhas comparecam e ajudem estas maes e pais, enfim, familiares destes meninos, que tivera uma morte tremendamente estúpida. Este irresponsáveis tem que responder por estes crimes, isto é ponto pacífico.
    Nao existe nada pior do que perder um filho(a).
    Por caridade, rogo as testemunhas que comparecam que isto vai ser fundamental e decisivo para o veredicto. Que a justica se realize! Vou continuar seguindo o caso aqui da Suécia!

Deixe um Comentário Os comentários serão avaliados por um moderador. Comentários considerados inadequados, impróprios ou ofensivos não serão aprovados

*