Preços do combustível variam muito em postos de Curitiba

Mais de 74% dos postos de combustíveis de Curitiba já contam com etanol, gasolina e diesel. O último levantamento do Sindicombustíveis, que representa as empresas, aponta que 271 dos 340 postos da capital estão abastecidos. Visivelmente, as filas são bem menores do que as registradas durante a semana.

Na Região Metropolitana, mais da metade dos 210 postos também voltaram a ter estoque de combustível. No litoral, 40% dos 60 postos receberam combustível entre ontem (29) e hoje (30). A situação só era crítica em Guaratuba, que ficou sem estoque até o início da manhã. No interior do estado, Maringá tinha 70% dos 76 postos abastecidos até às duas da tarde.

O Sindicombustíveis informou o registro de muitas filas na cidade. Em Londrina, a situação era bem menos tranquila. Apenas 10% dos 96 postos da cidade tinham combustível no início da tarde. Filas enormes se formaram e o estoque dos poucos estabelecimentos acabaram rapidamente. Em Guarapuava, 30% dos 51 postos tinham combustível no início da tarde. Cascavel, no oeste, retomou o abastecimento hoje e, por isso, menos de 10% dos estabelecimentos tinham estoque no início da tarde.

A situação também era crítica em Ponta Grossa. A cidade dos Campos Gerais foi uma das primeiras a ficar completamente sem combustível no estado. Por lá, o reabastecimento só começou hoje (quarta). No início da tarde, só 12 postos tinham combustível.

Se a situação em Curitiba pouco a pouco volta ao normal, os motoristas da capital paranaense têm sentido no bolso o retorno do abastecimento. O motorista do Uber Sandro Henrique reclama que em vários postos da capital não há indicação de valores dos combustíveis, o que tem causado dúvida e uma surpresa nada agradável em quem precisa abastecer

05.30 – COMBUSTIVEL OURO 1.

Sandro encontrou gasolina a R$ 4,89 o litro. O Código de Defesa do Consumidor prevê que o preço dos combustíveis precisa estar visível nos postos de todo o país. No entanto, a situação de exceção do desabastecimento fez com que vários locais não exibissem os valores. A coordenadora do Procon, Claudia Silvano, diz que, em casos assim, o consumidor pode denunciar

05.30 – COMBUSTIVEL OURO 2.

Para driblar as filas e a falta de informação, uma alternativa é o aplicativo Menor Preço. Claudia Silvano explica que as informações, não só sobre os valores dos combustíveis, como também de outros produtos ficam disponíveis e ajudam na pesquisa do consumidor

05.30 – COMBUSTIVEL OURO 3.

Até agora, o Procon recebeu 500 denúncias de preços abusivos em todo o estado. O consumidor que quiser mais informações pode entrar no site http://www.procon.pr.gov.br/.

Deixe um Comentário Os comentários serão avaliados por um moderador. Comentários considerados inadequados, impróprios ou ofensivos não serão aprovados

*