Prefeitura não tem previsão para o retorno do serviço de guincho

Foto: Jaelson Lucas/ SMCS

Foto: Jaelson Lucas/ SMCS – arquivo

Perto de completar dois anos sem guincho para a remoção de carros estacionados irregularmente, a prefeitura de Curitiba ainda não tem previsão de quando o serviço deve ser retomado. Desde setembro de 2015, a administração municipal não recolhe veículos ao pátio da Secretaria de Trânsito. O motivo foi um encerramento de contrato que, até o momento, não foi renovado. Em dias de maior movimento, a prefeitura chegava a recolher até trinta veículos nas ruas da capital. Sem os guinchos, resta aos agentes apenas aplicar a multa. No entanto, o carro permanece em situação irregular. E aí, a população precisa esperar a boa vontade do proprietário do automóvel. O vendedor Felipe Alexandre enfrenta, todos os dias, complicações no trânsito na Rua Paulo Gorski, no bairro Mossunguê, devido aos veículos estacionados em local proibido. Segundo ele, um carro chegou a capotar na rua, quando tentava desviar dos automóveis estacionados.

Já o projetista Luiz Pereira amargou uma situação, no mínimo, curiosa. Ele teve o carro roubado de dentro de uma concessionária. No dia seguinte, ele foi multado porque o assaltante estacionou em local proibido. Ou seja, se o automóvel tivesse sido guinchado, Luiz teria conseguido recuperar o veículo.

Na gestão anterior, a prefeitura prometeu, diversas vezes, retomar o serviço – o que não aconteceu. Procurada, a administração atual diz, por meio de nota, que o processo licitatório para escolha da empresa prestadora do serviço está em andamento, mas ainda não há data para a conclusão do procedimento. A Setran diz fazer vistorias em endereços com indícios de carros abandonados ou estacionados irregularmente. Então os agentes acionam o proprietário para que ele retire o carro. Mesmo assim, segundo a prefeitura, as denúncias podem continuar sendo feitas ao 156.

Deixe um Comentário Os comentários serão avaliados por um moderador. Comentários considerados inadequados, impróprios ou ofensivos não serão aprovados

*