Rodovias do Paraná tem bloqueios parciais por protestos de caminhoneiros

BR-277 Paranaguá (Foto: divulgação/PRF)

Caminhoneiros bloqueiam trechos de 4 rodovias federais no Paraná. Eles protestam contra o preço do diesel. A manifestação é nacional. Nos estados do Rio de Janeiro, São Paulo, Bahia, Minas Gerais e Espírito Santo também há registro de bloqueios. Aqui no Paraná, desde as seis e meia da manhã, uma faixa sentido São Paulo da BR-116, na altura do KM 67 em Quatro Barras, está interditada.

Na rodovia BR-277 tem uma faixa de cada sentido bloqueada no quilômetro 6, em Paranaguá, perto do posto Paris. O congestionamento está entre os kms 5 e 9 e o tráfego anda em meia pista. Segundo a Ecovia, concessionária que administra o trecho, a maior parte dos caminhoneiros está parada no acostamento, mas por conta da movimentação o congestionamento segue aumentando.

Há ainda bloqueios na BR-376, no km 502 em Ponta Grossa e no KM 257 em Califórnia, e na BR-153, no km 43, em Santo Antônio da Plantina e no km 112, em Ibaiti. A mobilização é contra o aumento do preço dos combustíveis e tem apoio da Federação das Empresas de Transportes do Estado do Paraná, a Fetranspar.

O presidente da Federação, coronel Sérgio Malucelli, afirma que o protesto foi a única solução encontrada contra os aumentos.

Aqui no Paraná, uma determinação judicial proíbe o bloqueio total das rodovias federais, sob pena de multa de R$ 100 mil por hora. Os motoristas também estão proibidos de invadir praças de pedágios. A multa é a de R$ 20 mil por hora de invasão. Até o momento, a decisão não foi descumprida.

A última alta de combustível foi na sexta-feira (18), quando a Petrobras elevou os preços do diesel em 0,80% e os da gasolina em 1,34% nas refinarias. Em alguns estados, o preço do litro da gasolina ultrapassa os 5 reais. A expectativa é que até o fim do dia uma reunião seja feita com o governo para que um acordo seja firmado e os aumentos sejam freados.

BR-116 Quatro Barras (Foto: divulgação/PRF)

Deixe um Comentário Os comentários serão avaliados por um moderador. Comentários considerados inadequados, impróprios ou ofensivos não serão aprovados

*