Sindicato de delegados da PF ameaça entrar na Justiça para transferir Lula da superintendência

Foto: Daiane Andrade/BandNewsFm Curitiba

O Sindicato dos Delegados de Polícia Federal do Paraná ameaçou, nesta quarta-feira (11), entrar na justiça para pedir a transferência do ex-presidente Lula da sede da PF, em Curitiba. Na manhã desta quarta-feira, a instituição entregou um ofício na superintendência pedindo a remoção de Lula para outra unidade prisional. O argumento da entidade é o de que desde que a custódia do ex-presidente começou a ser cumprida em Curitiba, há prejuízos ao trabalho delegados e também a quem precisa dos serviços prestados pela PF.

O presidente do sindicato, Algacir Mikalovski, diz que a entidade sugeriu alguns locais preparados para receber o ex-presidente.

Na manhã de hoje (quarta), a entidade entregou um ofício à superintendência da PF pedindo a remoção de Lula. O sindicato diz que, caso o pedido não seja acatado, deve entrar na justiça para pedir a transferência.

O principal argumento do sindicato ato é de que o atendimento ao público foi prejudicado desde Lula passou a cumprir pena em Curitiba e que os delegados não podem deixar o trabalho de investigação para se dedicarem à segurança do prédio da PF.

O sindicato disse, também, que recebeu relatos de delegados hostilizados por manifestantes quando estavam a caminho do trabalho.

Contrária à posição do Sindicato dos Delegados da PF no Paraná, a Federação Nacional dos Policiais Federais considera a transferência inviável. A entidade diz que levar o ex-presidente para uma repartição militar seria “um movimento apressado e sem respaldo”, que geraria custos desnecessários aos cofres públicos e uma enorme demanda de pessoal. A instituição também aponta para o aumento da possiblidade de confrontos entre apoiadores e pessoas contrárias ao político. O juiz federal Sérgio Moro afirmou que não vai se pronunciar. Até o momento, o pedido do sindicato não foi analisado pela PF.

Em nota, o acampamento Lula Livre, em que estão os manifestantes, afirmou que seguem nas proximidades da PF para exigir a libertação do ex-presidente Lula. O comunicado diz, também, que o suposto problema entre manifestantes e moradores está sendo usado com má-fé pelo sindicato e que o acampamento está instalado e em área pública. A nota informa que os manifestantes convivem pacificamente com os moradores, que recolhem o lixo e fazem a limpeza todas as manhãs. O comunicado diz, por fim, que respeita os acordos coletivos de silêncio entre às dez da noite e às sete da manhã.

As visitas ao ex-presidente Lula na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba foram transferidas esta quinta-feira (12). A informação é de que a mudança foi determinada por questões de segurança e, com isso, apenas o advogado Cristiano Zanin teve acesso ao político nesta quarta-feira (11). Ele não conversou com a imprensa.

Do lado de fora a vigília em apoio ao petista continua. De acordo com os líderes do movimento e a Polícia Militar, pelo menos duas mil pessoas estão acampadas nas proximidades da PF. Durante o dia, várias caravanas chegaram ao bairro Santa Cândida. Lideranças de esquerda presentes no acampamento têm afirmado que os manifestantes vão permanecer no local, pelo menos, até o dia 1° de maio. Por enquanto, nem a Polícia Federal e nem a Secretaria de Segurança Pública do Paraná se pronunciaram a respeito da possiblidade de uma reintegração de posse na região da sede da PF.

Deixe um Comentário Os comentários serão avaliados por um moderador. Comentários considerados inadequados, impróprios ou ofensivos não serão aprovados

*