Sindicombustíveis lança site para explicar como funciona precificação do combustível no país

(Foto: divulgação/ Verdade sobre o combustível)

O Sindicombustíveis – Sindicato que representa os empresários dos postos de Curitiba e Região Metropolitana – lançou um site em que explica como funciona a forma de precificação dos combustíveis no Brasil.

Na página verdadesobreocombustivel.com.br, a entidade questiona alguns dos posicionamentos do Governo Federal sobre as mudanças aplicadas no preço do óleo diesel.

O sindicato se manifestou a respeito das inúmeras denúncias sobre possível prática de abuso de preço nos postos de combustível nos últimos dias, em decorrência da crise de abastecimento gerada pela paralisação dos caminhoneiros.

Por meio de nota, o Sindicato afirma que “é preciso avaliar fatores como aumentos nos preços praticados pelas distribuidoras de combustíveis, os novos aumentos da Petrobras, término de promoções e os custos de cada revendedor”. O órgão destaca ainda uma nova alta aplicada na refinaria pela Petrobras nesta quinta-feira (31) e a elevação do etanol nos últimos dias, que interfere diretamente no valor da gasolina comum.

Por determinação legal a gasolina comum vendida no Brasil leva 27% de etanol da mistura. O texto destaca ainda o fato de que os postos não compram combustível diretamente das refinarias, mas sim das distribuidoras e deste modo para poder praticar desconto nas bombas, eles dependem que as distribuidoras repassem integralmente a redução anunciada.

O sindicato afirma ainda que não está esclarecido pelo Governo Federal como será avaliado o caso das empresas que têm estoque de óleo diesel adquirido antes das baixas anunciadas pela união. Entre as medidas anunciadas pelo Governo para o fim da greve dos caminhoneiros está a redução de R$ 0,46 centavos no litro do diesel por pelo menos 60 dias. A baixa deve começar a ser aplicada nos postos a partir de amanhã (2).

Deixe um Comentário Os comentários serão avaliados por um moderador. Comentários considerados inadequados, impróprios ou ofensivos não serão aprovados

*