Sob suspeita, lateral do Rio Branco nega ter colaborado para manipulação de resultados no Paranaense

O Tribunal de Justiça Desportiva do Paraná (TJD-PR) deve abrir um inquérito para investigar uma suposta tentativa de manipulação de resultados no Campeonato Paranaense. Na última semana, o presidente do Rio Branco, de Paranaguá, Leandro Ribeiro, acusou o lateral-esquerdo Thiaguinho de intermediar conversas entre um bicheiro e jogadores do clube para que os atletas entregassem a partida contra o Londrina, válida pela última rodada da Taça Caio Júnior. O esquema favoreceria apostadores de sites internacionais.

De acordo com um profissional do clube, que preferiu não se identificar, às vésperas do encerramento do returno, o goleiro do clube, Flaysmar, revelou ao preparador de goleiros do Rio Branco que tanto ele quanto o atacante Rodrigo Jesus teriam recebido uma proposta para entregar a partida para o Londrina. O contato teria sido feito por um bicheiro, por meio de uma ligação feita direto do telefone do lateral-esquerdo Thiaguinho.

O jogador admite que conheceu o bicheiro em Recife. De acordo com Thiaguinho, cada um dos atletas procurados pelo homem receberia R$ 5 mil reais para entregar a partida. O lateral disse que só repassou a proposta aos companheiros depois de muita insistência do bicheiro.

Machucado, Thiaguinho não jogou nenhuma partida do returno do Paranaense. O jogador nega que tenha se beneficiado de qualquer esquema criminoso e se diz arrependido de ter intermediado o contato com os colegas.

Toda a trama veio à tona depois do vazamento de conversas entre Thiaguinho e os colegas de clube no Whatsapp. O conteúdo chegou ao presidente do Rio Branco, que levou o caso até o Ministério Público Federal. A denúncia foi recebida pela Procuradoria Regional de Paranaguá, mas, de acordo com o MPF, vai ser arquivada por não ser de competência do órgão.

Na esfera esportiva, o presidente do Tribunal de Justiça Desportiva do Paraná, Leandro Souza Rosa, explica que todos os indícios já levantados permitem a abertura de um inquérito para investigar a suposta tentativa de manipulação.

Assim que for instaurado, o inquérito tem duração de 15 dias, prorrogáveis por mais 15 dias. Em nota, a Federação Paranaense de Futebol afirmou que foi procurada pelo Rio Branco para uma reunião. A entidade diz que o departamento jurídico acompanha o caso e que ainda não tem um posicionamento concreto porque todas as informações recebidas, até agora, até agora vieram pela imprensa.

Finalista da Taça Dionísio Filho contra o Coritiba, o Rio Branco não repetiu o mesmo desempenho no returno do campeonato estadual e só venceu uma partida em cinco rodadas da Taça Caio Júnior. Nas três primeiras partidas, o time de Paranaguá sofreu três goleadas: perdeu por 4 a 2 para o Toledo; 4 a 0 para o União e 7 a 1 para o Atlético. No último jogo, em que houve a tentativa de manipulação, o Leão da Estradinha perdeu por 4 a 1 para o Londrina.

Com a campanha ruim, a equipe terminou na lanterna do grupo B, com apenas três pontos. Já na classificação geral, o clube terminou na décima colocação – a apenas um ponto de ser rebaixado para a Série Prata do Campeonato Paranaense. Além da crise dentro de campo, fora dele os jogadores cobram quase dois meses de salários atrasados pela diretoria. A crise disparou uma ameaça de greve de jogadores ainda durante a disputa da Taça Caio Júnior.

A Bandnews procurou o presidente do Rio Branco, Leandro Ribeiro, mas ele não retornou os nossos pedidos de entrevista.

Deixe um Comentário Os comentários serão avaliados por um moderador. Comentários considerados inadequados, impróprios ou ofensivos não serão aprovados

*