Vereadora diz esperar arquivamento de processo de cassação

Foto: Divulgação / CMC

O relatório do processo de cassação aberto contra a vereadora de Curitiba Kátia Dittrich, do Solidariedade, deve ser concluído em cerca de 15 dias. A fase de audiências se encerrou nesta quinta-feira (9) com o depoimento de Kátia dos Animais de Rua, como é conhecida. Ela é acusada de ter se apropriado de parte do salário de funcionários do gabinete que mantém na Câmara de Vereadores.

Abalada, Kátia negou que tenha feito qualquer pedido ou exigência de repasses financeiros e chorou ao dizer que tem sido hostilizada, mesmo antes de qualquer julgamento. A vereadora admite que, para financiar ações de proteção aos animais, tenha se beneficiado de um empréstimo consignado feito em nome de uma ex-funcionária do gabinete, de que também era amiga há muitos anos. Mas Kátia diz que foi avalista do empréstimo e que tem pago todas as parcelas à instituição financeira.

Ela conta que, inclusive, reembolsou duas prestações descontadas diretamente do salário da ex-funcionária. A vereadora reafirma que é inocente e diz acreditar que o processo será arquivado pela comissão.

Dois ex-funcionários juntaram ao processo comprovantes de duas transferências bancárias para a conta de Katia Dittrich – uma de R$ 1 mil e outra de R$ 5 mil. A defesa da vereadora alega que o depósito de menor valor foi resultado da devolução de um empréstimo que ela havia feito a um funcionário. O outro caso é o empréstimo consignado, que Katia diz ter sido uma iniciativa espontânea da ex-funcionária para ajudar nas atividades de proteção a animais. A vereadora diz que está com dificuldades financeiras e lamenta que, depois da denúncia, as doações para os projetos voltados as causas dos animais tenham diminuído.

Katia Dittrich diz que apesar das dificuldades, tem tentado manter a mesma rotina. Mas ela chora ao falar sobre como vem sendo tratada nas ruas.

O relator do processo, vereador Osias Moraes, do PRB, disse depois da audiência que antes de confirmar se houve quebra de decoro por parte de Katia Dittrich, será necessário esclarecer contradições entre os depoentes. Ele afirma que deve intimar novas testemunhas para que as dúvidas sejam esclarecidas.

Além de Kátia Dittrich, mais seis testemunhas de defesa foram ouvidas nesta sexta-feira. Em outras audiências, a Comissão Processante tomou o depoimento de quatro dos seis denunciantes. A expectativa da Comissão Processante é votar o relatório e encaminhar o resultado para votação em Plenário ainda neste ano, embora o prazo regimental só se encerre em fevereiro.

Deixe um Comentário Os comentários serão avaliados por um moderador. Comentários considerados inadequados, impróprios ou ofensivos não serão aprovados

*